A pré-época leonina tem sido marcada por exibições ainda distantes da melhor performance física, técnica e tática. Mas, tendo em conta a fase da temporada, trata-se de algo perfeitamente normal. Os jogadores, os modelos táticos e as filosofias de jogo a adotar são, nesta fase, colocadas no tubo de ensaio de Keizer para que o holandês veja qual a melhor solução que daí resultará.

Do ponto de vista coletivo, a equipa tem apresentado algumas debilidades defensivas. Com inícios de jogo em alta rotação, primeiras partes de elevado dinamismo, a equipa perde rendimento nas segundas partes, evidenciando pouca consistência defensiva e, sobretudo, dificuldades na transição ataque-defesa. Mas esta ainda fraca performance defensiva não se deve aos homens mais recuados do terreno, tal como uma análise rápida e desatenta levaria a pensar.

Curiosamente, esta lacuna deve-se à reação leonina à perda da bola, começando precisamente nos homens mais avançados do terreno que, como se sabe, assumem uma função defensiva importantíssima no jogo. O Sporting terá que aprender a pressionar mais forte nas alturas em que está a defender mas não tão forte que comprometa a sua retaguarda. O laboratório de Keizer terá, por isso, que ir testando novas formas de pressionar defensivamente sem comprometer a consistência e o equilíbrio tático da equipa.

Por outro lado, tal como dizia, a equipa verde e branca tem apresentado primeiras partes que revelam claras pretensões ofensivas. A equipa de Keizer apresenta um futebol muito vascularizado, recorrendo aos extremos e à profundidade dos mesmos, um futebol rápido e veloz, ainda que com dificuldades na altura da definição no último terço. Como comandante do processo ofensivo assume-se Bruno Fernandes, o jogador que distribui a bola a seu bel-prazer, vasculando jogo, caminhando com ou sem bola ou até mesmo recuando quando as alternativas ofensivas estão bloqueadas.

No que à sua transferência diz respeito, até ao momento ainda não surgiu uma proposta próxima àquilo que Frederico Varandas pretende para vender o jogador, ou seja, um valor próximo dos 70M€. Solskjaer, treinador do Manchester United, no rescaldo do amigável dos red devils diante do Leeds, deixou claro que o clube de Manchester irá contratar os jogadores certos embora não entrando em loucuras financeiras. Umas declarações que podem muito bem deixar uma mensagem clara aos dirigentes leoninos sobre até que cifras está a formação de Manchester disposta a chegar para contratar o internacional português.

O impasse em torno da saída ou não de Bruno Fernandes de Alvalade está a deixar adeptos e staff numa grande indecisão
Fonte: Sporting CP

O laboratório de Keizer tem ainda experimentado alternativas a Bruno Fernandes. Uma delas passa por Matheus Pereira, testando a possibilidade do talentoso brasileiro ocupar posições semelhantes àquelas que Bruno Fernandes ocupa. Mas, cá para nós, Matheus Pereira joga bem é com a bola corrida, estando muito melhor nas alas onde, aí sim, pode pôr em prática a sua qualidade superlativa no um-para-um e todos os seus dotes técnicos. Quando é puxado para zonas mais interiores, perde a qualidade que o caracteriza.

Eduardo parece-me uma excelente contratação, tem um excelente sentido posicional e está já num patamar de elevada integração com os colegas. Quanto a Luciano Vietto, parece-me um jogador com forte propensão para atuar em zonas centrais do ataque, apesar de iniciar muitas vezes a partir das alas. Foi isso mesmo que assumiu em entrevista ao Record no passado dia 18 de julho, referindo que a sua posição natural é a de segundo avançado, ainda que não tenha excluído completamente a possibilidade de atuar como ala.

Parece-me que o argentino não será um jogador que procure a profundidade, mas antes as zonas interiores onde, aliás, explora de forma bastante pertinente e acutilante o seu portentoso remate. Rafael Camacho, por seu turno, tem atuado no lado esquerdo do ataque, parece-me ser um jogador diferente de Luciano Vietto. É um jogador mais explosivo, procura explorar a sua velocidade nas alas e tem um futebol de maior profundidade.

Uma palavra muito especial para aquilo que se tem visto de Gonzalo Plata. O equatoriano tem estado em grande nível nesta pré-época e, ao que tudo indica, subirá para a equipa principal nesta temporada. Keizer tem olhado para ele com olhos de ver, ele que agora é um jogador mais amadurecido a todos os níveis, fruto da passagem pelos escalões formativos do Sporting CP e pelo excelente Mundial de sub-20 que protagonizou.

Luís Maximiniano, na baliza dos Leões, faz lembrar “São Patrício”: ele próprio já o afirmou e as suas exibições confirmam-no. Subiu esta temporada no escalão de guarda-redes leoninos com a saída de Salin e pode muito bem ser o ano da sua afirmação entre os postes da equipa principal. Renan, também um excelente guarda-redes, que se cuide.

Para terminar, esta pré-época leonina tem tido um elefante na sala: Bruno Fernandes. Por mais que se tente assobiar para o lado, fingir que não se vê, aí está o melhor jogador do no nosso campeonato com a listada verde e branca e, até ao momento, não surgiu uma proposta considerada válida pelo internacional luso. Afinal, Bruno, vai ou fica? Se for, o argentino Thiago Almada, do Vélez Sarsfield, está na calha, aproveitando o protocolo estabelecido entre o Sporting e o Manchester City. Se ficar, estou certo de que será a melhor contratação do campeonato nesta época que se avizinha.

Foto de Capa: Sporting CP

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários