Luís Maximiano cumpre a sua oitava temporada ao serviço do Sporting Clube de Portugal. Nesta época, o jovem guarda-redes leonino concretizou o sonho de se estrear com a camisola da equipa principal, tendo posteriormente assumido a titularidade. Até ao momento, Max soma 21 jogos na baliza dos leões, tendo ainda mais duas partidas ao serviço da equipa sub-23.

Max chegou ao Sporting CP com apenas 13 anos, proveniente do SC Braga. Antes de representar os bracarenses, vestiu a camisola do CD Celeirós e do FC Ferreirense. Na formação, o jovem guarda-redes sagrou-se campeão nacional em todos os escalões: iniciados, juvenis e juniores. Com a camisola das “Quinas” soma 21 internacionalizações pelas seleções jovens, tendo vencido o Euro Sub-17, em 2016.

Na época passada, Max trabalhou integrado com a equipa principal, embora jogasse na equipa sub-23. Na Liga Revelação disputou 18 jogos, tendo dado nas vistas por ter defendido perto de uma dezena de grandes penalidades.

Este ano, Max tem-se afirmado no onze leonino
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Luís Maximiano é um guarda-redes forte entre os postes, com segurança ora a sair aos cruzamentos, ora no um-contra-um rápido a sair aos pés dos adversários. Na atualidade, é fundamental que os guardiões tenham qualidade a jogar com os pés e esse é um dos aspectos nos quais, poderá ainda evoluir. Neste momento, discute a titularidade com Renan Ribeiro, no entanto deverá ser uma aposta com continuidade, para que possa tornar-se num grande guarda-redes.

Anúncio Publicitário

Luís Maximiano tem um contrato válido até 2023 com o Sporting Clube de Portugal, tendo um valor de mercado fixado em 2,7 milhões de euros. O jovem guarda-redes leonino tem uma enorme margem de progressão, sendo um talento no qual se depositam enormes esperanças. À confiança da titularidade, tem correspondido com boas exibições seguras. Assim, Max poderá tornar-se uma referência no clube leonino pelo seu talento, esforço, dedicação e devoção. Poderá Luís Maximiano tornar-se no sucessor do histórico Vítor Damas?

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários