Muita se especula acerca de cada um dos avançados do Sporting: por um lado, Montero é um jogador mais móvel e que traz mais ao jogo em termos de construção ofensiva; por outro, Bas Dost é mais letal e faz com que a equipa tenha muito mais presença na área contrária.

Analisemos, primeiramente, o historial e os dados de cada um ao serviço do Sporting Clube de Portugal. O avançado (sim, avançado e não ponta de lança) colombiano chegou a Portugal no ano de 2013 e rapidamente deixou a sua marca: registou, até dezembro desse mesmo ano, 16 golos. Acabaria, ainda nesse ano, por substituído no onze leonino pelo adorado Islam Slimani mas Montero nunca perdeu a capacidade de produzir e de contruir um jogo ofensivo fluido e capaz de debloquear qualquer jogo.  Com 45 golos marcados em 129 jogos, “El Avioncito” é um jogador dotada de uma técnica exímia e bastante acima da média.

Por sua vez, o ponta de lança (este sim já ponta de lança) holandês tem características completamente díspares do seu companheiro. Bas Dost chegou a Alvalade em 2016 e desde cedo que começou a evidenciar sua preponderância. Ao contrário de Montero, o internacional holandês é bastante limitado tecnicamente, mas depois compensa (em muito) no ponto de vista da eficácia. Bas Dost, em 97 jogos de leão ao peito, faturou já por 75 vezes. Porém, os números mais impactantes do holandês são mesmo os referentes aos do campeonato: com uma média de um golo por jogo, Dost tem 66 golos marcados em outros tantos jogos disputados para o campeonato.

Bas Dost é dos avançados mais letais de sempre do Sporting Clube de Portugal
Foto: Facebook Sporting Clube de Portugal

Analisado já o historial de ambos os jogadores, passemos então para a análise das nuances táticas de uma equipa que coloque os juntos no onze inicial.

Anúncio Publicitário

Do ponto de vista teórico, tudo parece bem: Montero a fazer jogar, como se costuma dizer, e Bas Dost sempre pronto para fazer o golo. No que diz respeito ao ponto de vista tático, não é nada difícil de imaginar Montero a desbloquear as defensivas contrários com movimentos deambulatórios e altamente eficazes. Tal como ‘um rato’, “El Avioncito” criaria inúmeras linhas de passe criaria, certamente, mais uma solução ofensiva no processo de ataque leonino. Por outro lado, Bas Dost teria, como se diz na gíria, a papinha toda feita. Com Nani, Jovane ou Raphinha a cruzar nas alas, com Bruno Fernandes a descobrir o holandês e ainda com Montero a criar espaços, o holandês teria tudo a jogar para ele e a probabilidade de fazer marcar (ainda mais) seria, muito provavelmente, incrementada de forma brutal e impactante.

Tem-se dito que Marcel Keiser é um treinador que dá primazia ao futebol ofensivo e, como tal, prevê-se uma tática com muitos homens na frente. Assim sendo, a dupla Montero-Dost seria, sem dúvida, uma opção bastante sólida e válida para os leões. Apostará o técnico holandês nesta dupla?

Foto de Capa: Sporting CP

artigo revisto por: Ana Ferreira