milnovezeroseis

Caro leitor,

Desde que Bruno de Carvalho irrompeu no universo leonino que me identifico com as ideias – e ideais – que advoga. Quando concorreu, pela primeira vez, à presidência do Sporting Clube de Portugal não hesitei em declarar que aquele seria o candidato que apoiaria. O empresário representava o corte inexorável com duas décadas de erros atrozes e derrotas desonrosas com consequências funestas para o clube de Alvalade. Porém, por entre votos escondidos, contagens e recontagens de votos, e outras trapaças, Godinho Lopes venceu as eleições de 2011. A esperança legítima de que, finalmente, o Sporting tomaria rumo diferente esbateu-se. Até Março de 2013.

O mandato de Godinho Lopes pautou-se pelo extremismo aplicado em muitas decisões. Desde as contratações em catapulta até à parada de treinadores que orientaram o Sporting durante o período do mandato do engenheiro. O entusiasmo inicial da massa adepta conjugado com o bom nível exibicional da equipa fizeram crer que os leões haviam encontrado um timoneiro à altura. Mas a época transacta foi o perfeito espelho da política errónea de Godinho.

Bruno Carvalho tem demonstrado ser um Presidente diferente dos antecessores / Fonte: Público
Bruno Carvalho tem demonstrado ser um Presidente diferente dos antecessores /
Fonte: Público

Em Março passado, Bruno Carvalho venceu as eleições para Presidente do Sporting Clube de Portugal, derrotando José Couceiro e Carlos Severino. Desde o primeiro minuto, foi perceptível a diferença entre o agora Presidente e os seus antecessores. O fundador da Fundação Aragão Pinto encetou esforços para reduzir a despesa leonina, seja em jogadores, seja em funcionários, não se aventurou no sempre tentador defeso e passou a ocupar um lugar no banco de suplentes. Medidas louváveis. Paralelamente, os resultados no relvado são deveras positivos.

Anúncio Publicitário

No que toca à forma como se posiciona no panorama futebolístico português, Bruno Carvalho assume, igualmente, uma postura peculiar, ainda que nem sempre correcta. As recentes declarações , feitas à margem de um encontro de sportinguistas, revelam um exagero desmedido. Bruno de Carvalho não necessita de picardias para demonstrar ser um bom presidente. Pessoalmente, repugno o que disse acerca do vermelho da bandeira portuguesa. Associar o valor cromático da bandeira à cor do clube rival é uma “piada” desnecessária e de um garoto de cinco anos. O vermelho presente na bandeira simboliza o sangue derramado pelos portugueses nas inúmeras batalhas que travaram ao longo de séculos. A cor do clube do Colombo nada interfere nisto.

Continuo a ter a mesma ideia de Bruno Carvalho: homem sério, competente e com um coração marcadamente sportinguista. Todavia, a minha admiração por ele não me impede de o criticar quando acho pertinente. Este é um desses casos.

Artigo anteriorInter e a ressaca pós-Mourinho
Próximo artigoDia D…de vitória
O Pedro vem do Algarve e vê futebol desde que se lembra. Sportinguista vindo de uma família benfiquista, assume-se como sonhador e um confesso "bruno-carvalhista".                                                                                                                                                 O Pedro não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.