Anterior1 de 3Próximo

sporting cp cabeçalho 1No verão de 2016, o Sporting Clube de Portugal apontou uma vez mais as suas baterias à conquista do título de campeão nacional. E para que esse sonho, que se vem arrastando por demasiado tempo, se possa tornar realidade, a direcção e a equipa técnica dos “leões” atacaram o mercado cirurgicamente, tendo portanto, dessa feita, contratado alguns jogadores de renome, onde se destacam Bas Dost (Wolfsburgo), Lazar Markovic (Liverpool) e Joel Campbell (Arsenal).

O holandês, vindo da Bundesliga, rapidamente impôs a sua qualidade, contando até ao momento com cinco tentos em seis jogos de leão ao peito. Focar-me-ei portanto, nesta minha reflexão, nos outros dois atletas que referi, pelo facto de, até ao momento (embora estejamos numa fase prematura da época), terem estado um pouco aquém das expectativas, pela sua própria valia, criadas.

A 15 de Julho de 2014, o Sport Lisboa e Benfica confirmou a venda de um dos seus mais preciosos atletas ao Liverpool de Inglaterra. Nada de surpreendente, vista a imensa qualidade que Lazar havia apresentado, na sua primeira e única época de águia ao peito. Jogador tecnicista e velocista, que melhorou muito a sua consistência táctica, sob a alçada de Jorge Jesus. Terá sido porventura, até ao momento, o maior erro da sua carreira, sair do SL Benfica num momento em que a sua evolução enquanto futebolista não estava, de maneira nenhuma, finalizada. Eventualmente, terá sido também estranho, no mínimo, que o clube da Luz tenha vendido uma das maiores promessas, por uns meros doze milhões e quinhentos mil euros, enquanto se agoirava e perspectivava, um futuro grandioso e auspicioso para o sérvio.

Erro de casting, claro, do clube e do atleta. Embora se possa supor e só assim seja entendível, que da parte do Benfica, tenha existido uma necessidade urgente de encaixar algum dinheiro, pela perspectiva do jogador, compreender-se-á a oportunidade de ingressar num clube histórico e numa liga inequivocamente competitiva. A questão financeira, terá sido, absolutamente fundamental para ambas as partes.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários