Anterior1 de 3Próximo

O derby eterno com grandes ausências. O voz fininha Jonas e o palito gigante holândes, Bas Dost, eram os goleadores ausentes do jogo grande da terceira jornada. Raphinha e Rafa foram as surpresas lançadas por Peseiro e Rui Vitória. As águias entravam em campo exatamente com o mesmo onze que defrontou o PAOK, excepto, Zivkovic que deu o seu lugar ao pequeno português. Odysseas na baliza com André Almeida, Jardel, Rúben Dias e Grimaldo na defesa; Pizzi, Fejsa e Gedson no miolo; Rafa, Ferreyra e Cervi na frente de ataque.

Os leões com os lesionados Bas Dost e Mathieu foram forçados a mexer na equipa que defrontou o Vitória. Na baliza Salin manteve a titularidade com Jefferson, André Pinto, Coates e Ristovski no apoio defensivo; Será que Acuña iria recuar para junto de Battaglia e jogar no miolo? Era a dúvida que se mantinha e que podia resultar na chave do jogo. Raphinha, Montero e Nani completavam o tridente ofensivo no ataque ao ninho das águias.

Rolava a bola no verdinho estádio da Luz. Confirmava-se que Acuña preenchia o miolo junto a Bruno Fernandes e Battaglia. Na velocidade supersónica que começou o encontro, o Benfica dispôs da primeira oportunidade logo aos cinco minutos. Falta discutível sobre Gedson e na marcação, Jardel, cabeceava para grande defesa de Salin. Resposta dos leões, de imediato, com Nani a cruzar e Montero a desviar para o lado da baliza de Odysseas. Aos dez minutos, Acuña na raça ganha a bola e numa jogada individual sem qualquer pressão adversária remata ao lado da baliza.

Aos vinte minutos, de novo de bola parada, os encarnados com mais uma oportunidade de golo. Rúben Dias salta mais alto que Jefferson (exibição medíocre do brasileiro) para nova defesa de Salin. Na sequência, um mau alívio de Jefferson com Cervi a rematar de primeira para nova defesa do guardião francês. A partir daqui o jogo decaiu de qualidade. Muitas faltas, muitos “ais” e muito pouco futebol de parte a parte. António Rola e Veloso comentavam de forma lírica e com muito facciosismo a actuação de Luís Godinho.

É certo que o árbitro não esteve bem mas sem qualquer motivo para tanto alarido. O jogo chegava ao intervalo com destaque para a actuação de Raphinha. O brasileiro a mostrar grande qualidade técnica e a justificar a aposta de José Peseiro. Do lado dos encarnados, Gedson era quem mais galvanizava a equipa.

A entrada de João Félix foi determinante para o Benfica
Fonte SL Benfica
Anúncio Publicitário

Na segunda parte, começou melhor o Sporting. Entrada forte dos leões com Bruno Fernandes a tentar, de longe, abrir o activo. Na resposta ao remate do português, Cervi rematou com perigo ao lado.

Aos sessenta minutos, lance crucial na área encarnada. Falta de Rúben Dias sobre Montero prontamente assinalada. O colombiano ganhou a bola e o jovem português a cometer falta. Lance difícil, mas com boa análise do juiz da partida. Na cobrança, Nani não falhou e fez o seu terceiro golo no campeonato.

Dez minutos depois, Zivkovic, num lance confuso rematou para mais uma grande intervenção de Salin. Minuto seguinte e Rafa na clara oportunidade, de frente para a baliza e depois de uma maldade a Battaglia, rematou e novamente Salin a defender. O Benfica ia empurrando os leões e já com João Félix e Seferovic em campo chegou ao golo da igualdade.

Oitenta e seis minutos, cruzamento de Rafa pela direita e o jovem João Félix de cabeça a fazer o golo do empate. Estreia a marcar do português que saltou mais alto que Ristovski. José Peseiro a pagar caro a falta de ambição e o facto de demorar imenso tempo a mexer na equipa. O treinador teve todo o tempo para colocar as suas armas em campo mas, o português, bem ao seu género, não foi audaz num momento que podia e deveria ter tido mais ambição. Resultado improvável na Luz, os grandes de Lisboa chegavam empatados e o Sporting sai com alma renovada numa partida que poderia ter ido mais além.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários