O Sporting goleou hoje o Vitória de Guimarães por 5-1 e manteve a liderança da Liga NOS, a par do FC Porto, que também goleou hoje o Belenenses.

Com o muito saudado regresso de William Carvalho a Alvalade, Jorge Jesus desviou João Mário para a ala direita, mantendo Bryan Ruiz na ala esquerda e Teo Gutiérrez ao lado de Slimani. Com esta alteração, Jesus pretendia que João Mário desequilibrasse com movimentos interiores, abrindo espaço para que Ricardo Esgaio pudesse fazer no seu flanco aquilo que Jefferson está habituado a fazer: apoiar constantemente o ataque. Porém, João Mário também sabe mexer-se na ala, e foi assim que nasceu o primeiro golo do Sporting, com o português a cruzar para um cabeceamento certeiro de Slimani, ainda não tinha fechado o primeiro quarto de hora do jogo.

Logo a seguir, Teo Gutiérrez aumentou a vantagem. Depois de ter ameaçado com uma cabeçada à barra, o colombiano aproveitou uma assistência de Montoya (sim, foi o médio do Vitória que deu a bola ao avançado leonino), sentou Douglas e encostou para a baliza. Um movimento de classe do “cafetero”, redimindo-se perante os adeptos após os falhanços clamorosos de Istambul. Até ao intervalo, destaque para a lesão de Bryan Ruiz, que teve de dar lugar a Gelson Martins. O Sporting foi dono e senhor do jogo, e William foi o principal protagonista. É um gigantesco prazer ver o possante médio de volta a Alvalade, com os seus passes milimétricos e a forma assombrosa como rouba bolas aos adversários. Com William no centro do terreno, a equipa parece que joga com mais um elemento em campo, tal o leque de tarefas que o número 14 executa.

Em dia de eleições, William voltou a governar em Alvalade Fonte: Facebook oficial do Sporting Clube de Portugal
Em dia de eleições, William voltou a governar em Alvalade
Fonte: Facebook oficial do Sporting Clube de Portugal

Logo no início da segunda parte, o Vitória ainda tentou esboçar uma reação, mas tudo ficou pior aos 55 minutos, quando Bouba Saré agrediu Gelson e foi bem expulso pelo árbitro. Com mais um elemento no retângulo de jogo, os leões voltaram a carregar e fizeram dois golos em dois minutos. Slimani marcou mais um golo de cabeça, após centro “açucarado” de Jefferson, e Adrien também faturou, num livre direto que desviou na barreira e enganou Douglas.

Jorge Jesus colocou Aquilani e Montero em campo nos lugares de Adrien e Teo, mas foi Slimani que voltou a carimbar a ficha de jogo. O argelino completou o “hat-trick” ao responder da melhor forma a um centro rasteiro de Jefferson. Apesar da noite fria e chuvosa, os mais de 30 000 adeptos presentes viram o melhor Sporting da época a esmagar um Vitória que trouxe para este jogo muitos vícios do início de época mas que vai com certeza melhorar, pelas mãos de Sérgio Conceição.

Anúncio Publicitário

Até ao fim, realce para duas coisas: o golo vimaranense, apontado por Josué, após desatenção sportinguista num pontapé de canto; e o cântico entoado pela claque leonina, a atacar André Carrillo, e que foi aplaudido em todo o estádio.

O Sporting mostrou hoje que é possível jogar bom futebol e impressionar as bancadas de Alvalade sem ter André Carrillo. Tudo correu bem na estratégia de Jorge Jesus: João Mário e Bryan Ruiz conseguiram criar desequilíbrios e abrir espaços para os apoios de Jefferson e Esgaio ao ataque. O brasileiro conseguiu mesmo duas assistências para Slimani, reeditando uma sociedade de sucesso do mundo verde e branco. Na vertente defensiva, o Vitória nunca incomodou muito, mas a verdade é que, com William atrás, Adrien também joga melhor, aliás, toda a equipa joga melhor. Os centrais estão mais seguros, os laterais sentem mais liberdade para atacar, enquanto William é dono e senhor do que se passa à sua volta. O próximo jogo do campeonato será uma prova de fogo: a visita à Luz, com o regresso de Jorge Jesus à sua antiga casa, num dérbi onde o Sporting chegará à frente do seu adversário, até porque, provavelmente, o Benfica não jogará com o União da Madeira até receber os leões.

A Figura:

William Carvalho/Slimani – Seria injusto deixar algum de fora desta escolha. O médio encheu o campo, com um jogo autoritário. O argelino foi tremendamente eficaz, alcançando um “hat-trick”, com dois dos golos a finalizarem excelentes movimentos ofensivos com cabeceamentos, como mandam as regras.

O Fora de Jogo:

Bouba Saré – O jogo não correu bem a ninguém do Vitória, mas Montoya e Bouba Saré lutaram arduamente pelo destaque negativo. Contudo, o vencedor é Bouba Saré pelo momento de paragem cerebral que teve quando agrediu Gelson e convidou o árbitro a expulsá-lo. Se a tarefa já estava difícil, o 99 do Vitória fez questão de alargar o sorriso dos sportinguistas.

Foto de capa: Facebook do Sporting