Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: TRIUNFO CONSTRUÍDO EM QUATRO MINUTOS GARANTE MAIS TRÊS PONTOS

“Vamos pensar jogo a jogo, sempre com o objetivo de conquistar os três pontos” – esta frase repetida por Rúben Amorim tem feito cada vez maior sentido junto dos jogadores leoninos que vão ultrapassando cada obstáculo rumo à glória. Em mais uma partida da Primeira Liga, o Sporting CP venceu no seu reduto sem grandes dificuldades o Portimonense SC por 2-0, graças aos golos de Feddal e Nuno Santos na primeira parte. Um triunfo importante antes da ida à casa do FC Porto.

Os minutos iniciais trouxeram um Sporting a entrar com vontade de marcar cedo, com o regressado ao onze inicial Nuno Santos a dispor da primeira oportunidade logo ao minuto seis num remate que foi bem defendido por Samuel Portugal. A apostar frequentemente na colocação de bolas nas costas da defesa adversária, os lances criados pelo ataque leonino eram maioritariamente desta forma, onde a atenção da defesa algarvia era posta em prova, valendo nesses momentos as saídas atempadas do guardião brasileiro para manter tudo empatado.

Anúncio Publicitário

Não foi de bola corrida, mas sim de bola parada que o Leão pode festejar o primeiro golo do encontro: livre descaído do lado direito batido por Pote para Feddal, com alguma sorte à mistura, marcar o seu primeiro golo com a camisola do Sporting aos 27’, num lance em que o guarda-redes ainda defendeu um primeiro remate. Ainda o Portimonense se estava a recompor do golo sofrido, quando o marcador sofreu nova alteração com o 2-0, da autoria de Nuno Santos que aproveitou um erro da defesa adversária.

O 2-0 obrigou os comandados de Paulo Sérgio a ir em busca de reduzir a desvantagem, e até teve duas boas oportunidades para marcar: primeiro Beto aos 33’ a atirar por cima, após um excelente trabalho do lado esquerdo por Henrique e dois minutos depois num livre lateral foi Dener a colocar a bola dentro da baliza de Adán, contudo o médio estava em posição irregular. Antes do intervalo, nota para a lesão de Ewerton que foi rendido por Luquinha.

O intervalo fez bem ao Portimonense que veio com vontade de entrar novamente na discussão do jogo. Essa vontade traduziu-se numa maior aproximação à área verde e branca, contudo ia faltando uma melhor definição no momento de visar a baliza de Adán. O Sporting limitava-se a controlar as investidas do adversário e, quando tinha a bola na sua posse, optava somente por fazê-la circular para desta forma estancar a iniciativa algarvia.

A partida ia-se desenrolando com ocasiões nos dois lados, embora os dois guarda-redes tenham-se superiorizado aos avançados de Sporting e Portimonense. O marcador não se alterou até ao último apito e os pupilos de Amorim festejaram a sexta vitória consecutiva na Liga.

Triunfo tranquilo do Sporting que foi construído na primeira parte. A caminhada do Leão até ao título continua sem grandes sobressaltos e a fazer sonhar e acreditar os adeptos de que esta época o troféu da Primeira Liga pode muito bem vir para o museu.

 

A FIGURA

Figura Sporting x Portimonense
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

João Palhinha – É cada vez mais o jogador-chave no meio-campo leonino. Tem-se exibido a um nível alto, mostrando mesmo que é uma peça importante na estratégia de Rúben Amorim. Tanto com e sem bola, é um regalo para qualquer adepto ver Palhinha a jogar.

O FORA DE JOGO

FDJ Sporting x Portimonense
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Aylton Boa Morte – As boas exibições nos últimos jogos deixavam antever um jogo em grande evidência para Aylton, mas isso acabou por não acontecer. O número 77 este muito apagado, o que prejudicou o ataque algarvio.

 

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP

Antes da deslocação ao Dragão na próxima jornada, o Sporting CP tinha a missão de vencer para manter a distância para os restantes adversários na luta pelo título. Antes do apito inicial, o técnico Rúben Amorim foi obrigado a ter de deixar Paulinho de fora devido a um problema físico: Tiago Tomás ocupou o lugar como referência atacante, voltando assim Nuno Santos à titularidade.

A entrada do conjunto verde e branco foi em grande, com os homens da frente a querer desde logo marcar para resolver o encontro, apostando para isso em bolas na profundidade que estavam a criar dificuldades na defesa visitante. O golo inaugural surgiu apenas aos 27 minutos num lance de bola parada, algo que tem sido frequente nos últimos jogos e que demonstra o bom trabalho desenvolvido por Rúben Amorim com os seus atletas. Quatro minutos depois, uma desatenção do setor recuado do Portimonense permitiu a Nuno Santos marcar no regresso ao onze inicial, dando maior conforto ao líder do campeonato.

No segundo tempo, a equipa já não acelerou tanto o ritmo e optou por controlar a reação adversária, algo que foi feito com sucesso e que permite celebrar a conquista de mais três pontos antes da visita ao Dragão na próxima jornada.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

António Adán (6)

Nuno Mendes (6)

Gonçalo Inácio (6)

Sebastián Coates (7)

Zouhair Feddal (6)

Pedro Porro (5)

João Palhinha (8)

João Mário (6)

Pedro Gonçalves (6)

Nuno Santos (7)

Tiago Tomás (5)

SUBS UTILIZADOS

Jovane Cabral (5)

Bruno Tabata (5)

Matheus Nunes (-)

Daniel Bragança (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – PORTIMONENSE SC

A viver uma boa fase em termos exibicionais, o Portimonense apresentou-se em Alvalade para tentar dar continuidade à senda positiva de resultados obtidos nos últimos dois jogos. O treinador Paulo Sérgio utilizou o seu típico 4-4-3 com duas mudanças em relação à partida anterior: Henrique e Beto ocuparam os lugares de Jafar Salmani e Bruno Moreira.

A dar a iniciativa de jogo ao Sporting nos minutos iniciais, os comandados de Paulo Sérgio mostraram logo desde o início da partida qual seria a estratégia durante os 90 minutos: fechar os caminhos da baliza de Samuel Portugal, ao defender com os 10 jogadores no meio-campo defensivo e apostar na velocidade de Beto para lançar ataques perigosos. O plano idealizado pelo técnico dos algarvios até estava a correr bem, mas os dois golos sofridos de forma seguida obrigaram o Portimonense a arriscar para levar pontos de Alvalade.

A segunda parte trouxe um Portimonense com maior vontade em alcançar um golo que ajudasse a voltar à discussão, só que faltou maior assertividade no momento de tomar a decisão mais correta, o que acabou por impedir o aparecimento do golo que trouxesse maior incerteza quanto ao desfecho final do jogo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Samuel Portugal (6)

Fahd Moufi (5)

Lucas Possignolo (5)

Maurício Antônio (4)

Koki Anzai (4)

Willyan Rocha (5)

Dener (5)

Ewerton Pereira (4)

Aylton Boa Morte (4)

Henrique (5)

Beto (6)

SUBS UTILIZADOS

Luquinha (5)

Jafar Salmani (5)

Bruno Moreira (-)

Denis Poha (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Sporting CP

BnR: O Sporting terminou a partida de hoje com a dupla de meio-campo formada por João Mário e Daniel Bragança. Esta dupla pode ser uma solução de futuro e o que oferece cada um em termos de construção de jogo do Sporting?

Rúben Amorim: São jogadores que têm caraterísticas parecidas, e, em certos jogos, pode ser. Em Barcelos, nós acabámos o jogo também assim. Pela qualidade do João (Mário) e do Daniel (Bragança), hoje quisemos acabar assim e meter o Matheus Nunes mais na frente pela sua velocidade e tentámos esticar o jogo também, muito sinceramente, para protegê-lo dos duelos. E, mais uma vez, o Daniel e a forma como entrou, seja um, cinco, quinze, vinte ou trinta minutos como foi com o Gil Vicente, é um jogador que está a crescer muito. O que eles nos podem dar ao jogar juntos ao mesmo tempo é a sua qualidade de termos bola. E sempre que precisarmos de bola, o João Mário está lá e quando o Daniel entra, ficámos com muita bola e é isso que nos podem oferecer, além da qualidade de ler o jogo defensivamente.

Portimonense SC

BnR: Uma das mudanças que fez face ao último jogo (vitória por 4-1 frente ao Gil Vicente) foi a entrada de Henrique no lugar de Salmani. Essa mudança foi para tentar dar maior apoio defensivo ao lateral Anzai nos lances em que o Sporting aposta na profundidade?

Paulo Sérgio: Poderia ter sido outro atleta a fazê-lo relativamente ao que se refere, não foi por isso que mudei. Foi uma opção para refrescar, pois o outro jogador (Jafar Salmani) tinha jogado os 90 minutos no jogo anterior, e jogou hoje o Henrique que tem todas as condições para fazer essa tarefa.

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome