Sporting CP assegura acesso direto à Champions. Isto chega?

    O Sporting CP garantiu, no fim de semana passada, o segundo lugar no campeonato desta temporada e, consequentemente, o acesso direto à Liga dos Campeões.

    Ainda na ressaca de um balanço sobre a temporada, surge este tema. Os leões têm a passagem direta à fase de grupos da Liga dos Campeões, o que demonstra a qualidade do trabalho que tem sido realizado ao longo deste época, e, considero, da anterior.

    Agora coloco a questão: devemos ficar satisfeitos com o que se conquistou esta temporada? Acho que qualquer adepto, e, na verdade como um colega meu costuma dizer, verdadeiro português, nunca está 100% contente com o que tem.

    Claro que adoraria ter sido campeão, ter chegado à final da Taça de Portugal e ter passado os 16 avos da Liga dos Campeões. Claro o acesso direto não pode apagar o que podia ter corrido melhor.

    Contudo, também não podemos desvalorizar todo o trabalho que a era Amorim está a fazer. Até sermos campeões, o Sporting não recebia uma partida da maior competição europeia em Alvalade desde a temporada 2017/2018, sendo que nem passámos da fase de grupos, perante um grupo difícil frente ao Barcelona, Juventus e Olympiacos.

    Claro que existem as questões do ranking da FIFA, mas os leões, tal como Rúben Amorim já referiu, devem estar na disputa de todas as competições, e um lugar na Champions não foge à regra. O Sporting CP deve e merece estar na maior competição europeia.

    Sporting Matheus Nunes
    Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

    Acho que o Sporting CP estará mais preparado no ano que se avizinha para a Liga dos Campeões. Apesar de termos ficado pelos 16 avos de final, acho que estar neste contexto, entre os maiores clubes da europa, permitirá a turma verde e branca realizar uma melhor campanha na próxima temporada. Basta olhar para o exemplo do nosso eterno rival, SL Benfica, que acreditou e foi passando, até ser eliminado pelo clube que está agora na final, Liverpool FC. Está habituado a andar nestas andanças.

    Outro aspeto importantíssimo em relação à garantia da presença na Champions é, obviamente, a questão financeira. As verbas provenientes da Liga dos Campeões são sempre uma grande ajuda para pensar no plantel para o próximo ano. Quer seja para manter jogadores, como Matheus Nunes ou mesmo Palhinha, quer seja para ir ao mercado e reforçar posições.

    Olhando para o que foi feito durante esta época, julgo que o Sporting, depois de ser campeão, não fez mais que a sua obrigação ao garantir o acesso direto. Teria corrido tudo às mil maravilhas se o lugar na Champions fosse acompanhado com o caneco do título nacional, há que acreditar, mas agora é quase impossível.

    Não se pode sacrificar aquilo que tem sido feito. Agora só nos resta olhar para o que foi feito, aprender e esperar que no próximo ano as coisas corram da melhor forma possível.

     

    O apuramento para a @ChampionsLeague em destaque na edição desta semana do #JornalSporting! 📰

    📲 Acede gratuitamente à edição on-line em https://t.co/WqDRgCjCR6 pic.twitter.com/2ZV2w0YXlE

    — Sporting Clube de Portugal 🏆 (@Sporting_CP) May 5, 2022

    Artigo com opinião do redator da Secção do Sporting CP, João Marques

    - Advertisement -

    Subscreve!

    PUB

    spot_img

    Artigos Populares

    Lazio de olho em irmão de Jude Bellingham

    A Lazio está interessada em Jobe Bellingham, irmão de...

    Gil Vicente garante craque do Tondela para 2024/25

    O Gil Vicente está muito perto de se reforçar...

    Gonzalo García pede mais um avançado para o Arouca

    O Arouca perdeu recentemente Rafa Mujica para o Al...
    João Filipe Marques
    João Filipe Marqueshttp://www.bolanarede.pt
    O João Marques é natural da ilha Terceira. Desde cedo manifestou um gosto especial pelo desporto. Com o crescimento surgiu o gosto pela escrita e a vontade de transmitir informação. Decidiu juntar o útil ao agradável e acabou por aventurar-se pela FCSH – Nova Lisboa, onde se licenciou em Ciências da Comunicação. Regressou à Terceira e encontra-se a estagiar no jornal local, o Diário Insular. Entra no projeto com grande vontade de escrever sobre o desporto rei e sobre o seu grande amor, a turma verde e branca.