sporting cp cabeçalho 1

Noite agradável no Bonfim, ainda assim com um estádio pouco composto. O Vitória apresentou-se com oito alterações no onze inicial, relativamente à última partida e o Sporting com cinco.

A equipa da casa começou com a força toda e fez o primeiro remate do jogo logo no primeiro minuto. O Vitória continuou muito pressionante, com o Sporting a criar também algum perigo, mas foram mesmo os sadinos a chegar primeiro ao golo. Venâncio inaugurou o marcador aos 19 minutos, perante a passividade da defesa leonina.

Os leões reagiram ao golo e foram, aos poucos, subindo cada vez mais no terreno, mas sem eficácia. Já o Vitória continuou a criar muito perigo à baliza de Beto e quase chegou ao 2-0 aos 34 minutos. Velocidade e atenção eram as maiores falhas da equipa visitante. O primeiro amarelo do jogo surgiu já depois da meia hora para o número 47 do Sporting: Esgaio.

A primeira parte seguiu com lances de algum perigo por parte de ambas as equipas, sendo que os rapazes de Setúbal foram mais atrevidos que os de Alvalade. O intervalo chegou com os sadinos em vantagem. Jorge Jesus deveria aproveitar os 15 minutos para acertar os erros cometidos, especialmente, pela defensiva dos leões.

Anúncio Publicitário

A segunda metade da última jornada da Taça CTT começou com o técnico leonino a mexer na equipa. Foram a jogo Bas Dost e Gelson, para substituir Bryan Ruiz e Markovic que ficaram no balneário e que pouco ou nada tinham feito nos primeiros 45 minutos. Sem sombra de dúvida, o Sporting entrou muito mais agressivo que na primeira parte e começou desde cedo a criar problemas à defesa sadina. Com dez minutos de jogo, já tinha sido mal assinalado um fora de jogo e não assinalado um canto à equipa visitante.

Frederico Venâncio colocou os sadinos em vantagem na primeira parte (Fonte: Domínio de Bola)
Frederico Venâncio colocou os sadinos em vantagem na primeira parte (Fonte: Domínio de Bola)

 

Entretanto, e depois de sair para ser assistido, Vasco Costa acabou mesmo por ser substituído, tendo entrado Bonilha para o seu lugar. Couceiro apostou, assim, no reforço do seu meio campo. Numa subida clara de rendimento da equipa de Jorge Jesus, o Vitória conteve-se mais, mas nem assim deixou de criar perigo à baliza de Beto. O Sporting acabou por esgotar as suas alterações perto da meia hora, saindo o já amarelado Castaignos para entrar André Filipe.

Ambas as equipas corriam pela vida. O Vitória tentava, desesperadamente, manter o resultado, enquanto os leões pressionavam ostensivamente, em busca do golo do empate e este chegou mesmo com dez minutos ainda por jogar. Elias, depois de um jogo muito apagado, colocou o Sporting na liderança do grupo. Ficou apenas a dúvida se este controlou a bola com o peito ou com o braço.

Rui Oliveira, juiz desta partida, deixou muito a desejar na segunda parte do jogo, contrariando até, indicações dos seus assistentes. Erros do árbitro que, de alguma forma, foram prejudicando as duas equipas durante os últimos 45 minutos. A apenas três minutos do final do tempo regulamentar, o Sporting continuava por cima da partida, ainda que com menos intensidade. O Vitória, mais desconcentrado que na primeira parte, perdia as suas jogadas no terceiro quarto do campo. Houve ainda tempo para um penálti, muito discutível, para o Vitória no último minuto de jogo. Gerou-se a confusão em campo e choveram amarelos. Edinho foi chamado a converter a penalidade e não cedeu. O Vitória conseguiu vencer a partida e o Bonfim ficou ao rubro.

Quem disse que a festa da Taça é só na prova rainha?

Final emocionante numa noite que merecia mais adeptos no estádio. Assim, Vitória segue em frente na competição, justamente, pois, ao contrário do Sporting, nunca baixaram os braços e acreditaram até ao fim.