olheiro bnr

O facto de o Sporting ser a equipa dos chamados “três grandes” que melhor aproveita a sua formação está longe de significar que Benfica e FC Porto não apresentem também inúmeras pérolas, a quem, na maior parte das vezes, apenas falta espaço para provarem que poderiam ter impacto nas respectivas equipas seniores.

De qualquer maneira, Luís Filipe Vieira prometeu recentemente que esse paradigma iria mudar no Benfica, e se a entrada a espaços de Gonçalo Guedes nas contas de Jorge Jesus parece ser a confirmação das palavras do presidente encarnado, é igualmente certo que existem muitos outros jogadores a lutarem pela mesma oportunidade, sendo um claro exemplo o do médio-centro Raphael Guzzo, que vai evoluindo, por empréstimo, no líder da Segunda Liga, o Desportivo de Chaves.

Brasileiro de nascimento, português de coração

Raphael Gregório Guzzo nasceu a 6 de Janeiro de 1995 em São Paulo, Brasil, mas cedo rumou para Portugal, tendo sempre actuado nas selecções jovens lusas, pelas quais soma 52 internacionalizações e quatro golos. Aliás, recentemente, o jovem de 20 anos confessou mesmo que recusou um convite para representar a selecção canarinha de sub-20, preferindo continuar a jogar pelo país que cedo o acolheu.

Quanto à sua carreira clubística, essa começou no Flaviense, tendo depois Raphael Guzzo saltado para o Desportivo de Chaves, emblema que representou até 2008, ano em que se mudou para o Benfica, clube ao qual está vinculado até ao momento e pelo qual já representou as equipas de iniciados, juvenis, juniores e seniores (ao nível da equipa B).

Raphael Guzzo nasceu no Brasil, mas é internacional pelas camadas jovens portuguesas Fonte: Facebook Oficial de Raphael Guzzo
Raphael Guzzo nasceu no Brasil, mas é internacional pelas camadas jovens portuguesas
Fonte: Facebook Oficial de Raphael Guzzo

Estreou-se na Segunda Liga aos 18 anos

Raphael Guzzo estreou-se na Segunda Liga, ao serviço da equipa B do Benfica, no dia em que completou 18 anos, ou seja, a 6 de Janeiro de 2013, num duelo diante do Santa Clara (1-1), nos Açores. Aliás, nessa mesma temporada de 2012/13, o internacional sub-20 português haveria de somar ainda mais 12 jogos pela equipa secundária das águias.

Ainda assim, em 2013/14, naquele que era o segundo ano de júnior, o Benfica entendeu por bem que Raphael Guzzo evoluísse em exclusivo na equipa de juniores e, na actual temporada, optou por cedê-lo ao Desportivo de Chaves, clube que lidera a Segunda Liga e onde o jovem médio-centro tem sido peça fundamental, somando 29 jogos e seis golos.

Talento e classe no meio-campo

Raphael Guzzo pode fazer todas as posições do meio-campo central, mas a posição onde consegue apresentar maior produtividade é a “oito”/”box-to-box“, que parece talhada para o estilo de jogo do internacional sub-20 português, marcado pela inteligência posicional, evoluída visão de jogo, excelente técnica individual e boa capacidade de passe.

Muito dinâmico e fortíssimo nas transições, há ainda outro aspecto que rapidamente salta à vista no futebol do jovem luso-brasileiro e que passa pela enorme classe com que se passeia pelos relvados, algo que não invalida, que, ao mesmo tempo, consiga apresentar uma inata capacidade de trabalho que lhe permite ser forte na marcação e na rápida recuperação do esférico.

Inegável, acima de tudo, é que o Benfica tem em Raphael Guzzo um futebolista que poderá vir a trazer-lhe grandes mais-valias desportivas e financeiras. Haja coragem em apostar nele.

 Foto de Capa: Facebook Oficial de Raphael Guzzo

Comentários

Artigo anteriorSporting 4-1 Vit. Guimarães: Como tornar fácil um jogo difícil
Próximo artigoOs pecados de Jesus
Sportinguista sofredor desde que se conhece, a verdade é que isso nunca garantiu grande facciosismo, sendo que não tem qualquer problema em criticar o seu clube quando é caso disso, às vezes até com maior afinco do que com os rivais. A principal paixão, aliás, sempre foi o futebol no seu contexto mais generalizado, acabando por ser sintomático que tenha começado a ler jornais desportivos logo que aprendeu a ler. Quanto ao ídolo de infância, esse será e corre o risco o de ser sempre o Krassimir Balakov, internacional búlgaro que lhe ofereceu a alcunha de “Bala” até hoje. Ricardo admite que ser jornalista desportivo foi um sonho de miúdo que conseguiu concretizar e o que mais o estimula na área passa pela análise de jogos e jogadores, nomeadamente os que ainda estão no futebol de formação ou naqueles campeonatos menos mediáticos e que pensa sempre que ninguém vê como o japonês, sul-coreano ou israelita..                                                                                                                                                 O Ricardo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.