A CRÓNICA: VITÓRIA IMPORTANTE, MAS POUCO TRANQUILA

Passados vários meses, o Campeonato Andebol1 está de volta e logo com um grande jogo entre o novo Benfica e uma AA Águas Santas reforçada, a prometer colocar muitas dificuldades a todas as equipas. O Benfica, apesar de ter reforçado a equipa durante o verão, já falhou um dos seus principais objetivos desta temporada, tendo sido eliminada da EHF League.

Este jogo marca também o regresso de Pedro Seabra e Nuno Grilo à Luz, sendo que foi o primeiro a abrir o marcador. A equipa de José Silva entrou com um esquema tático defensivo de 6×0, mas que facilmente se transformava em 5×1 e 4×2 para dificultar a circulação ao Benfica.

As águias, que entraram com falhas ofensivamente, algo habitual nos dois jogos oficiais já realizados, tiveram nos primeiros três ataques três falhas técnicas. Para as dificuldades ofensivas da equipa de Chema Rodriguez também contribuiu a grande exibição do veterano António Campos. Do outro lado do campo, a Águas Santas apresentava um ataque mais fluído, mas o bom jogo do reforço Sergey Hernandez ia mantendo o clube da Luz no jogo. A meio da primeira parte o resultado era 3-5.

Anúncio Publicitário

Desde a exclusão de Matic Suholeznik, os “encarnados” apresentaram uma defesa mais híbrida em contraste com o 6×0 com que iniciaram o jogo, melhorando, então, a prestação defensiva da equipa. O primeiro time-out surgiu aos 23 minutos, pedido por José Silva, numa altura que a equipa maiata só vencia por um golo. José Silva conseguiu com que a equipa reentrasse bem no jogo, recuperando a vantagem de 2/3 golos. O resultado ao intervalo era 9-11.

A paragem de jogo serviu para as duas equipas analisarem o jogo, e, no começo da segunda parte, a equipa da casa entrou melhor, recuperando a desvantagem e conseguindo o primeiro empate da partida aos 40 minutos (14-14), altura em que José Silva pediu para parar o jogo. A Águas Santas ainda conseguiu recuperar a vantagem mínima durante alguns minutos, mas, aos 47, o Benfica conseguiu a primeira vantagem na partida 17-16.

Para esta recuperação do Benfica foi decisiva a boa entrada do central Kukic na segunda parte. A partir deste momento, o Benfica conseguiu encontrar mais espaços na defensiva adversária, privilegiando a ligação com o pivot Paulo Moreno, e Sergey Hernandez fechou o caminho da baliza. Apesar de ter estado atrás do marcador a maioria do jogo, o Benfica entrou a vencer no campeonato com o resultado final a ser 26-22.

A FIGURA

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Sergey Hernandez – Um dos reforços do defeso e um dos que está a ter mais impacto imediato. Vinha com a dura tarefa de substituir Borko, mas está a demonstrar ter capacidade para ser um dos preferidos dos adeptos. Hoje foi decisivo enquanto a equipa teve dificuldades no jogo, não permitindo que a desvantagem fosse maior do que três golos, e conseguiu que a equipa construísse uma vantagem tranquila a partir do momento que passou para a frente do marcador.

 

O FORA DE JOGO

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Pedro Cruz – O experiente lateral esquerdo, várias vezes melhor marcador do Campeonato, não esteve à altura do que nos habituou, não conseguindo contribuir para a grande exibição da sua equipa, que quase levou os três pontos de Lisboa.

 

ANÁLISE TÁTICA SL BENFICA

Numa equipa com treinador e jogadores novos há sempre problemas de adaptação, e o Benfica tem sofrido imenso em termos de organização ofensiva, tendo sido essa a principal diferença na primeira e segunda parte. Djordjic teve um jogo muito longe do que seria esperado, e, na primeira parte, não houve qualquer envolvência dos pivots e pontas no ataque. Na segunda parte, tudo mudou: Arnau assumiu a posição de lateral esquerdo, Kukic entrou em grande nível e Keita e Paulo Moreno foram decisivos na reviravolta.

Em termos defensivos, Sergey Hernandez deu conta do recado, mas, aos quatorze minutos, o Benfica passou de um 6×0 demasiado estático para uma defesa mais dinâmica, o que trouxe grandes dificuldades ao adversário.

SETE INICIAL + PONTUAÇÕES

Sergey Hernandez (8)

João Pais (6)

Carlos Martins (6)

Lazar Kukic (7)

Petar Djordjic (6)

Kevynn Nyokas (6)

Matic Suholeznik (6)

SUBS UTILIZADOS + PONTUAÇÕES

Paulo Moreno (7)

Arnau Garcia (6)

Belone Moreira (6)

Francisco Pereira (5)

Ole Rahmel (5)

Mahamadou Keita (7)

 

ANÁLISE TÁTICA AA ÁGUAS SANTAS

Defensivamente, o AA Águas Santas criou muitas dificuldades ao Benfica na primeira parte, pois apresentou uma defesa que começava num 6×0, mas que muito rapidamente se transformava num 5×1 e 4×2, o que condicionou imenso a circulação duma equipa que nos jogos anteriores demonstrou muita dificuldade nesse momento. Aliado a isto, António Campos fez uma exibição fenomenal. Na segunda parte, o Benfica conseguiu superar as suas dificuldades e foi muito mais eficaz.

Em termos ofensivos, Pedro Seabra fez um grande jogo a controlar a partida, mas os seus companheiros de primeira linha, Nuno Grilo e Pedro Cruz, não estiveram ao seu nível, impedindo assim que a equipa acompanhasse o Benfica nos momentos finais da segunda parte.

SETE INICIAL + PONTUAÇÕES

António Campos (8)

Pedro Seabra (8)

Nuno Grilo (6)

Pedro Cruz (5)

Carlos Santos (5)

Mário Lourenço (7)

Ricardo Mourão (5)

SUBS UTILIZADOS + PONTUAÇÕES

Francisco Fontes (7)

Vasco Santos (4)

João Gomes (5)

Fábio Teixeira (5)

Craig Mcclelland (-)

Miguel Neves (-)

Artigo revisto