Domingo, a partir das 9 horas, terá lugar uma das Maratonas mais aguardadas da história, tanto no masculino quanto no feminino. A prova masculina contará com a presença de Mo Farah, agora, aos 35 anos, totalmente focado na estrada, tendo abandonado a pista. Mas não só. Contará com um elenco verdadeiramente de luxo, que promete óptimas marcas e incerteza quanto ao vencedor, ameaçando ser uma prova rápida, muito rápida. No feminino, a história não será muito diferente. Estará aqui a recordista de provas exclusivamente femininas à procura do recorde mundial absoluto, com a concorrência de peso da elite mundial, dominada pelo Quénia e pela Etiópia. O evento promete ser tão especial que a partida será dada pela rainha Isabel II, através de um controlo remoto a partir da residência oficial em Windsor!

A Prova Masculina – Kipchoge e Bekele à procura do Recorde Mundial, a atenção em Mo Farah

À cabeça e na nossa opinião como grande favorito na prova masculina, teremos Eliud Kipchoge. O queniano é o detentor do recorde da Maratona de Londres (2:03:05), naquele que foi o terceiro tempo mais rápido alguma vez corrido na distância. Isto oficialmente, porque oficiosamente ele até correu a distância mais rápida de sempre naquele célebre desafio Breaking2 da Nike, numa pista com características especiais e com “alguns extras” para ajudar a melhorar o tempo. Já venceu esta prova por duas vezes, no ano passado venceu em Berlim e é também o campeão olímpico. Ele próprio um ex-campeão mundial e medalhado olímpico em pista nos 5.000 metros, não deverá ser surpreendido por Mo Farah. Pelo menos, não tão cedo.

Anúncio Publicitário

Na mesma prova e como outro dos grandes candidatos, teremos aquele que tem o segundo melhor tempo de sempre na Maratona, ele que é um nome bem conhecido do nosso desporto: Kenenisa Bekele. Bekele que 6 anos depois de ter abandonado as pistas, ainda é o detentor dos recordes mundiais nos 5.000 e 10.000 metros. Naquele seu rapidíssimo tempo na Maratona em 2016 (2:03:03) venceu a reputada Maratona de Berlim e aqui em Londres, no ano passado, ficou na segunda posição correndo na casa dos 2:05. Um ano antes tinha sido terceiro…então sabem o que vai na cabeça do atleta! Tal como Kipchoge, o etíope confessa que o recorde mundial da Maratona é um dos seus maiores objectivos e algo onde está bem focado. Será um osso duro de roer e sabemos como o mesmo adora brilhar em grandes palcos– afinal conquistou 9 medalhas de Ouro entre Mundiais e Jogos Olímpicos!

A rivalidade de Bekele e Kipchoge já é antiga e vem das pistas para a estrada
Fonte: IAAF

Mas se Bekele foi segundo em 2017, é porque alguém ficou na primeira posição de forma surpreendente e esse alguém foi o queniano Daniel Wanjiru. E ele também estará por Londres! Ainda que Wanjiru não tenha um melhor pessoal tão rápido quanto os dois atletas acima mencionados, a verdade é que é o que, à partida, terá uma maior margem de progressão. É que Wanjiru tem apenas 25 anos, face aos 33 de Kipchoge e os 35 de Bekele! O melhor pessoal de Wanjiru (2:05.21) até foi alcançado um ano antes, com aquela fantástica vitória na Maratona de Amesterdão e promete vir a Londres com a intenção de revalidar o título. Estará o queniano à altura de dois dos homens mais rápidos da história? Isso descobriremos apenas no domingo, mas sabemos que tendo já batido Bekele e sendo o campeão em título, retirá-lo da lista de favoritos seria bastante imprudente.

Mas não se pense que a lista de elite fica por aqui! Por Londres passará também Guye Adola, o etíope que se estrou na Maratona em Berlim em 2017, no segundo lugar, com o tempo mais rápido de sempre de um estreante! Correu em 2:03:46! Claro que depois dessa fantástica estreia, não será mais um nome a desvalorizar e desta vez será também um dos focos de atenção no percurso londrino. Abel Kirui (KEN) é outro nome conhecido do grande público, tendo sido duas vezes campeão mundial (2009 e 2011) e medalhado de Prata nos Jogos Olímpicos de Londres. No ano passado, Kirui foi quarto, falhando o pódio, mas tem afirmado que irá a Londres para lutar pelo lugar mais alto do pódio e nunca devemos duvidar de um campeão mundial.

1
2
3
Artigo anteriorBétis, um Real candidato à Europa
Próximo artigoLendas do Universo Benfiquista: José Augusto
O Pedro é um amante de desporto em geral, passando muito do seu tempo observando desportos tão variados, como futebol, ténis, basquetebol ou desportos de combate. É no entanto no Atletismo que tem a sua paixão maior, muito devido ao facto de ser um desporto bastante simples na aparência, mas bastante complexo na busca pela perfeição, sendo que um milésimo de segundo ou um centimetro faz toda a diferença no final. É administador da página Planeta do Atletismo, que tem como principal objectivo dar a conhecer mais do Atletismo Mundial a todos os seus fãs de língua portuguesa e, principalmente, cativar mais adeptos para a modalidade.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.