Domingo, a partir das 9 horas, terá lugar uma das Maratonas mais aguardadas da história, tanto no masculino quanto no feminino. A prova masculina contará com a presença de Mo Farah, agora, aos 35 anos, totalmente focado na estrada, tendo abandonado a pista. Mas não só. Contará com um elenco verdadeiramente de luxo, que promete óptimas marcas e incerteza quanto ao vencedor, ameaçando ser uma prova rápida, muito rápida. No feminino, a história não será muito diferente. Estará aqui a recordista de provas exclusivamente femininas à procura do recorde mundial absoluto, com a concorrência de peso da elite mundial, dominada pelo Quénia e pela Etiópia. O evento promete ser tão especial que a partida será dada pela rainha Isabel II, através de um controlo remoto a partir da residência oficial em Windsor!

A Prova Masculina – Kipchoge e Bekele à procura do Recorde Mundial, a atenção em Mo Farah

À cabeça e na nossa opinião como grande favorito na prova masculina, teremos Eliud Kipchoge. O queniano é o detentor do recorde da Maratona de Londres (2:03:05), naquele que foi o terceiro tempo mais rápido alguma vez corrido na distância. Isto oficialmente, porque oficiosamente ele até correu a distância mais rápida de sempre naquele célebre desafio Breaking2 da Nike, numa pista com características especiais e com “alguns extras” para ajudar a melhorar o tempo. Já venceu esta prova por duas vezes, no ano passado venceu em Berlim e é também o campeão olímpico. Ele próprio um ex-campeão mundial e medalhado olímpico em pista nos 5.000 metros, não deverá ser surpreendido por Mo Farah. Pelo menos, não tão cedo.

Anúncio Publicitário

Na mesma prova e como outro dos grandes candidatos, teremos aquele que tem o segundo melhor tempo de sempre na Maratona, ele que é um nome bem conhecido do nosso desporto: Kenenisa Bekele. Bekele que 6 anos depois de ter abandonado as pistas, ainda é o detentor dos recordes mundiais nos 5.000 e 10.000 metros. Naquele seu rapidíssimo tempo na Maratona em 2016 (2:03:03) venceu a reputada Maratona de Berlim e aqui em Londres, no ano passado, ficou na segunda posição correndo na casa dos 2:05. Um ano antes tinha sido terceiro…então sabem o que vai na cabeça do atleta! Tal como Kipchoge, o etíope confessa que o recorde mundial da Maratona é um dos seus maiores objectivos e algo onde está bem focado. Será um osso duro de roer e sabemos como o mesmo adora brilhar em grandes palcos– afinal conquistou 9 medalhas de Ouro entre Mundiais e Jogos Olímpicos!

A rivalidade de Bekele e Kipchoge já é antiga e vem das pistas para a estrada
Fonte: IAAF

Mas se Bekele foi segundo em 2017, é porque alguém ficou na primeira posição de forma surpreendente e esse alguém foi o queniano Daniel Wanjiru. E ele também estará por Londres! Ainda que Wanjiru não tenha um melhor pessoal tão rápido quanto os dois atletas acima mencionados, a verdade é que é o que, à partida, terá uma maior margem de progressão. É que Wanjiru tem apenas 25 anos, face aos 33 de Kipchoge e os 35 de Bekele! O melhor pessoal de Wanjiru (2:05.21) até foi alcançado um ano antes, com aquela fantástica vitória na Maratona de Amesterdão e promete vir a Londres com a intenção de revalidar o título. Estará o queniano à altura de dois dos homens mais rápidos da história? Isso descobriremos apenas no domingo, mas sabemos que tendo já batido Bekele e sendo o campeão em título, retirá-lo da lista de favoritos seria bastante imprudente.

Mas não se pense que a lista de elite fica por aqui! Por Londres passará também Guye Adola, o etíope que se estrou na Maratona em Berlim em 2017, no segundo lugar, com o tempo mais rápido de sempre de um estreante! Correu em 2:03:46! Claro que depois dessa fantástica estreia, não será mais um nome a desvalorizar e desta vez será também um dos focos de atenção no percurso londrino. Abel Kirui (KEN) é outro nome conhecido do grande público, tendo sido duas vezes campeão mundial (2009 e 2011) e medalhado de Prata nos Jogos Olímpicos de Londres. No ano passado, Kirui foi quarto, falhando o pódio, mas tem afirmado que irá a Londres para lutar pelo lugar mais alto do pódio e nunca devemos duvidar de um campeão mundial.