Desde cedo a mostrar que é especial

Tendo completado 19 anos há apenas uma semana, poderá ser surpreendente todo o hype que o jovem sueco alcançou desde tão cedo. No entanto, esse hype rapidamente pode ser explicado por números, resultados, pelo domínio avassalador. Nascido nos EUA, no Louisiana, filho de mãe sueca e pai norte-americano, Armand, que gosta de ser chamado de Mondo, tem cidadania de ambos os países e basta ouvir qualquer entrevista com o jovem para se perceber o seu lado norte-americano com sotaque sulano bastante acentuado – na verdade, ele nem sequer fala a língua nativa da Suécia, mas esse foi o país que o mesmo decidiu abraçar e representar internacionalmente.

O “sangue” de desportista corre nas suas veias de forma natural, sendo que o seu pai também foi saltador de Salto com Vara (5.80 metros de melhor pessoal), enquanto que a sua mãe competiu nas provas combinadas e no Voleibol. Desde cedo começou a dar nas vistas e tem, por exemplo, todos os recordes mundiais de idade (não oficialmente reconhecido com essa nomenclatura) dos 7 aos 12 anos e também dos 17 aos 20 anos. Nos vídeos abaixo podemos ver alguns desses recordes (8, 9 e 10 anos), onde se percebe que o seu talento vem de há muito:

Anúncio Publicitário

Em 2015, Duplantis tomou uma decisão (controversa) referente ao seu futuro em competições internacionais. Tendo nascido e crescido nos EUA, o jovem decidiu representar a Suécia nos Mundiais Juvenis desse ano em Cali, na Colômbia. O facto não caiu bem em parte da comunidade atlética norte-americana, argumentando que os EUA tinham despendido tempo e dinheiro na formação desportiva e académica do jovem e que, embora fosse legítimo fazê-lo, era um gesto que demonstrava alguma ingratidão por parte do mesmo. Pouco afetado com as críticas, nesses Mundiais, com apenas 15 anos sagrou-se campeão mundial com um melhor salto a 5.30 metros.

O primeiro Ouro global na primeira competição internacional
Fonte: IAAF

Um ano depois, com apenas 16, iria aos Mundiais Juniores de Bydgoszcz, na Polónia, saltar 5.45 metros para o Bronze e a partir daí não mais parou a sua ascensão até ao topo da disciplina. Em 2017 sagrou-se campeão europeu júnior em Grosseto, Itália, com 5.65 e já este ano sagrou-se campeão mundial júnior em Tampere, na Finlândia com 5.82 metros. Quanto às disputas com os seniores, em 2018 já bateu todos os grandes nomes da disciplina (Lavilennie, Kendricks, Lisek…), vencendo inclusive uma etapa da Liga Diamante, em casa, em Estocolmo.

Em Estocolmo, onde já anunciava uma boa marca, venceu o primeiro meeting DL
Fonte: Stockholm Bauhaus Meeting

A juntar a todas essas conquistas, o jovem parece que leva todas as competições a sério e numa disciplina em que tanta coisa pode correr mal (onde um dia menos bom significa ficar muito longe dos lugares da frente), Duplantis parece gostar de mostrar que os bons resultados podem aparecer em qualquer palco, despertando curiosidade onde quer que ele compita. Este ano, na França, em Clermont-Ferrand, melhorou o recorde mundial júnior indoor (que já lhe pertencia) saltando impressionantes 5.88 metros. E, no que diz respeito ao ar livre, logo em Março, no Texas, passava a mais de de 5.90 metros, algo que nunca nenhum jovem com menos de 20 anos havia feito. Mais tarde, em Maio, em Baton Rouge, atingiria os 5.93 metros, marca que era o seu recorde pessoal até aos Europeus de Berlim.

Para se ter uma mais precisa ideia dos resultados do atleta, basta observarmos o top-10 da história ao ar livre para atletas sub-20:

Fonte: IAAF

Como se pode verificar, Duplantis tem as 10 melhores marcas da história. E o cenário não altera assim tanto nas marcas indoor, onde Duplantis (que também é o recordista júnior em pista coberta) tem 6 marcas no top-10.

1
2
3
4
Artigo anteriorDe Viseu para as quadras nacionais
Próximo artigoO que é preciso fazer para acordar o adormecido?
O Pedro é um amante de desporto em geral, passando muito do seu tempo observando desportos tão variados, como futebol, ténis, basquetebol ou desportos de combate. É no entanto no Atletismo que tem a sua paixão maior, muito devido ao facto de ser um desporto bastante simples na aparência, mas bastante complexo na busca pela perfeição, sendo que um milésimo de segundo ou um centimetro faz toda a diferença no final. É administador da página Planeta do Atletismo, que tem como principal objectivo dar a conhecer mais do Atletismo Mundial a todos os seus fãs de língua portuguesa e, principalmente, cativar mais adeptos para a modalidade.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.