OS PORTUGUESES EM PROVA

Masculino

NELSON ÉVORA

Fonte: IAAF

Idade: 35 anos

Disciplina: Triplo Salto

Anúncio Publicitário

PB: 17.74

SB: 17.13

Clube: Sporting CP

Treinador: Ivan Pedroso

Um terço da comitiva portuguesa em Doha estará presente no Triplo Salto: são cinco atletas.  Algo nunca antes visto em Portugal e que prova que algo de muito bom está a ser feito na disciplina. E muito o devemos a Nelson Évora. Foi com o atleta que foi campeão mundial (Osaka 07) e olímpico (Pequim 08) da disciplina que aprendemos a olhar para o Triplo de uma outra forma, tornando-o quase como uma obsessão nacional.

Depois de sucessivas lesões, vários foram os que retiraram Évora da equação, mas cometeram um pecado capital: nunca devemos excluir os verdadeiros campeões. Évora voltou a ser um dos melhores triplistas do mundo e nas últimas duas edições dos Mundiais voltou ao pódio (Bronze em Pequim e Londres). Depois disso ainda melhorou o recorde nacional de Pista Coberta com mais um Bronze em Mundiais Indoor, tendo-se sagrado pela primeira vez campeão europeu ao ar livre em Berlim na temporada passada.

Este ano já foi Prata nos Europeus Indoor e, apesar de ainda só ter saltado uma vez acima dos 17 ao ar livre este ano, poucos serão os que apostarão as suas fichas contra Nelson Évora. É que ele voa sempre em grandes competições.

PEDRO PABLO PICHARDO

Idade: 26 anos

Disciplina: Triplo Salto

PB: 18.08 (2015)

SB: 17.53

Clube: SL Benfica

Treinador: Jorge Pichardo

As polémicas decorrentes da sua naturalização já ficaram para trás e agora Pedro Pichardo é mais um português em busca da glória nos Mundiais deste ano. Olhando para as possibilidades de medalha, talvez seja o atleta que apresenta maiores probabilidades de a obter, sendo parte integrante do restrito clube dos 18 metros no Triplo (foram seis apenas os atletas que o conseguiram em toda a história).

No início da temporada, referimos que Pichardo tem uma enorme tendência na sua carreira a fazer os melhores de cada temporada bastante cedo, mas a abordagem a esta época parece ter sido diferente, uma vez que o seu melhor até agora foi no final de Julho (onde bateu Christian Taylor em Londres).

Os 17.53 que tem seriam o seu pior “season best” desde 2012, mas acreditamos que o(s) grande(s) salto(s) de Pichardo estão reservados para Doha, uma cidade onde se dá especialmente bem, tendo sido o primeiro local onde passou dos 18 metros, em 2015.

FRANCISCO BELO

Idade: 28 anos

Disciplina: Lançamento do Peso

PB: 20.97 (2019)

SB: 20.97

Clube: SL Benfica

Treinador: Vladimir Zinchenko

Os últimos três anos têm sido anos de enormes resultados para Belo, que repete aqui a presença em Mundiais. No início deste ano, em Glasgow, esteve à beira do pódio, ficando no 4.º lugar dos Europeus de Pista Coberta e está a cheirar os 21 metros, tendo chegado em duas competições aos 20.97 neste ano. Parece estar no final da temporada a voltar a recuperar a boa forma do início do ano, o que provavelmente faz tudo parte do planeamento da época do atleta. Chega a Doha à procura de um lugar na final numa das disciplinas com o nível mais elevado no momento.

JOÃO VIEIRA

Idade: 43 anos

Disciplina: 50km Marcha

PB: 3:45.17 (2012)

SB: 3:46.38

Clube: Sporting CP

Treinadora: Vera Santos

Não há palavras para descrever o eterno João Vieira, que ainda continua ao mais alto nível, indo a Doha para a sua 11.ª participação em Mundiais, igualando o registo máximo nacional que pertence a Susana Feitor. Apesar da marca de qualificação nos 20km e nos 50km, irá escolher a distância mais longa, onde este ano já andou próximo do seu melhor pessoal e onde espera não enfrentar os mesmos problemas que enfrentou nos Europeus de Berlim da temporada passada. A sua experiência poderá ser crucial numa das mais exigentes provas destes Mundiais, quando os termómetros marcaram mais de 30 graus na madrugada de Doha. Já ficou à beira do pódio (4º em Moscovo, 2013) na distância mais curta.

1
2
3
4
5
Artigo anteriorAntevisão de uma futura chicotada
Próximo artigoCampeonatos do Mundo de Ciclismo de Estrada – Mixed Relay TTT: Campeões previsíveis e surpresa caseira
O Pedro é um amante de desporto em geral, passando muito do seu tempo observando desportos tão variados, como futebol, ténis, basquetebol ou desportos de combate. É no entanto no Atletismo que tem a sua paixão maior, muito devido ao facto de ser um desporto bastante simples na aparência, mas bastante complexo na busca pela perfeição, sendo que um milésimo de segundo ou um centimetro faz toda a diferença no final. É administador da página Planeta do Atletismo, que tem como principal objectivo dar a conhecer mais do Atletismo Mundial a todos os seus fãs de língua portuguesa e, principalmente, cativar mais adeptos para a modalidade.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.