Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho modalidadesCom o Tour de França aí à porta, é altura de muitos adeptos que gostam da prova assistirem àquela que é considerada por muitos como a maior competição velocipédica do mundo, quer pelos seus protagonistas, que nos dão grande espectáculo no asfalto, quer pelas imagens espectaculares a que nos habituamos a ver, com a paisagem dos Alpes e Pirinéus a darem-nos vontade de agarrar na bicicleta e subir montanha acima.

Falar de ciclismo geralmente é falar no Tour de France, não há como escapar. Para o espectador comum é a maior prova de ciclismo a nível internacional, e é verdade. No entanto, existem variadíssimas provas internacionais com reputação ao nível da Volta a França.

O meu texto vai no sentido de dar a conhecer algumas dessas provas, algumas desconhecidas do público que só segue o Tour de France e a nossa Volta a Portugal. Essas provas são conhecidas como os “Cinco Monumentos”.

Primeiro explicar o que são os cinco monumentos. Os cinco monumentos são cinco provas do calendário internacional, denominadas de “Clássicas” e por norma todas elas com grande grau de exigência e dificuldade. Só ciclistas com determinas especialidades é que conseguem vencê-las, tornando-se em autênticos heróis nacionais.

Eddy Merckx, um dos melhores ciclistas de todos os tempos, se não o melhor, figura-se entre os poucos ciclistas que venceram os 5 monumentos Fonte: Eddy Merckx
Eddy Merckx, um dos melhores ciclistas de todos os tempos, se não o melhor, figura entre os poucos ciclistas que venceram os cinco monumentos
Fonte: Eddy Merckx

Actualmente, existem três ciclistas que venceram as cinco provas, e todos eles belgas. São eles Eddy Merckx, Roger De Vlaeminck e Rik Van Looy. Deles destaca-se Eddy Merkcx com um total de 19 vitórias, o que diz bem da dificuldade e da diversidade de cada prova apresenta.

Comecemos então pela primeira “Clássica” do ano, a Milan-San Remo é uma clássica disputada na altura da primavera, é uma prova centenária (primeira edição foi em 1907) que conta com uma quilometragem perto dos 300km, embora seja uma prova com um perfil pouco acidentado, são os sprinters que ultimamente tem levado a melhor nesta clássica,
Cavendish, Degenkolb, Ciolek, Kristoff, Zabbel, Cipollini, Pettachi, são alguns nomes que obtiveram vitórias nesta clássica mas é comum em algumas edições haver pequenos grupos e mesmo fugas a chegar ao fim e disputarem a vitória entre si, nestas situações nomes como Cancellara e Bettini vêem ao de cima. Mas o grande nome desta competição e com maior número de vitórias era o fantástico Eddy Merckx, que venceu nada mais nada menos que sete edições desta prova, sendo portanto o recordista, seguido do italiano Constante Girardengo, com seis, numa prova que completou este ano 108 edições.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários