logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

6h Spa-Francorchamps: Toyota volta ao pódio com apenas um carro

A CORRIDA: SOL, CHUVA, SAFETY-CAR, LUTA. REPETE.

O Glickenhaus #708 arrancou bem e conseguiu manter a liderança da corrida, enquanto o Alpine #36 perdeu o lugar para ambos os Toyota. Com a gravilha a ser usada nas escapatórias, a primeira vítima foi o Ferrari #85 da Iron Dames (conduzido por três pilotos femininas) que levou um toque. Felizmente conseguiram tirar o Ferrari e este pôde continuar a corrida, no fundo do pelotão. Também tivemos o Porsche #91 sem pneu depois de um toque inicial com o Porsche #92.

Uma partida bastante positiva por parte de António Félix da Costa, que liderava a categoria de LMP2, subindo de 10º na geral para quinto. A corrida manteve-se num ritmo calmo, uma vez que era esperada chuva. Somente os GTE AM estavam a lutar por posição.

O Safety-Car acabou por entrar em pista para a segunda hora de corrida, depois do carro #44 da ARC BRATISLAVA bater com força na barreira de pneus. Mas não durou muito tempo, pois a bandeira vermelha veio parar a corrida para retirar o carro da pista.

O recomeço da corrida foi atribulado para o Toyota #8, que estava com dificuldades em arrancar. Ainda encostou, por alguns segundos, para reiniciar novamente o carro, mas acabou por retirar-se definitivamente antes do fim da volta. Também ainda atrás de SC, o Ferrari #71 rodou e acabou por bater no muro, danificando a asa traseira do mesmo. O Glickenhaus #708 falhou a travagem na última curva e acabou por fazer um pião, com o Alpine #36 a seguir também em frente mas a evitar o #708. Entretanto, os pilotos decidem parar para trocar de pneus e colocar combustível no carro. A chuva parou por um pouco, mas voltou em força para os últimos 10 minutos da segunda hora de corrida, que deu mais uma bandeira vermelha pela quantidade de água que estava em pista.

Com quase meia hora dentro da terceira hora, recomeça novamente a corrida atrás de SC com alguma chuva e uma pista bastante molhada. O Safety-Car saiu de pista para dar lugar à bandeira verde, tendo o único Toyota em pista (#7) começado a perseguição e ultrapassagem ao Alpine #36 para o segundo lugar, já que era o LMP2 da WRT que liderava a corrida à geral.

Para surpresa de todos, mas com alguma ajuda da corrida até àquele momento, o Ferrari #52 liderava a categoria PRO dos GTE, à frente do Porsche #92. Com mais liberdade também, estavam os dois carros da United Autosport (#22 e #23), que puderam lutar por posição, levando Alex Lynn (#23) a melhor sobre Filipe Albuquerque (#22).

Como ter paz em pista não é muito popular, o #5 de Dane Cameron (Team Penske) trava mais tarde, fazendo com que fosse pela escapatória dentro, batendo no muro, mas conseguindo regressar à pista. O mesmo aconteceu para Sebastian Ogier, que deu um passeio pela gravilha e regressou ao asfalto.

Alex Lynn no #23 da United acabaria por deixar Albuquerque para trás e ultrapassou o PREMA #9 de Kubica para o segundo lugar nos LMP2. Ainda na liderança da corrida à geral continuava o LMP2 #31 de Frijns. Dane Cameron continuava com dificuldade numa pista bastante molhada, assim como o #91 e o #38 de Félix da Costa.

De regresso à bandeira verde e de regresso a novo acidente, com o Inter Europol #34 de Alex Brundle, que traz o SC de novo à pista. Entretanto, o WRT #31 regressa à liderança à geral da corrida. Nova bandeira vermelha e mais uma ronda de troca de pneus. A 2h20 do fim, recomeça novamente a corrida atrás de SC e, 20 minutos depois, bandeira verde.

Durante o resto da corrida, a pista melhorou bastante, pois a chuva que estava prevista para o final da corrida nunca apareceu. Com isso, houve aproximação de alguns carros. O Toyota #7 acabou por ultrapassar o WRT #31, seguido pelo Glickenhaus #708 e estabeleceram a normalidade na corrida.

Vários Full Course Yellows fizeram com que os pilotos se mantivessem atentos ao seu redor, mas foi com 10 minutos para o fim que a luta pela liderança dos GTE PRO ficou mais acesa.

A Toyota regressaria assim ao pódio, com #7 de Mike Conway, Kamui Kobayashi e Jose Maria Lopez, seguidos do Alpine #36 de André Negrão, Nicolas Lapierre e Matthieu Vaxiviere e o Glickenhaus #708 de Olivier Pla, Romain Dumas e Luis Felipe Derani, que nem acabaram no pódio da geral, mas sim em nono lugar.

Para o LMP2, foi a equipa da casa a grande vencedora, a WRT #31 de Sean Gelael, Robin Frijns e René Rast, ficando em segundo lugar o #41 da RealTeam by WRT conduzido por Rui Andrade, Ferdinand Habsburg e Norman Nato e por último o JOTA #38 de António Félix da Costa, Will Stevens e Roberto Gonzalez.

A vitória nos GTE PRO ficou para a AF Corse #51 de James Calado e Alessandro Pier Guidi, logo seguidos pelo Porsche #92 de Michael Christensen e Kevin Estre. Em terceiro acabou outro AF Corse #52, conduzido por Miguel Molina e Antonio Fuoco.

Para finalizar, nos GTE AM, venceu o Porsche #77 da Dempsey Proton Racing com Christian Ried, Sebastian Priaulx e Harry Tincknell. Em segundo lugar terminou o Aston Martin #33 da TS Sport, onde está Henrique Chaves, acompanhado por Ben Keating e Marco Sørensen, e em terceiro lugar terminou o Aston Martin #98 da Northwest AMR guiado por Paul Dalla Lana, David Pittard e Nicki Thiim.

Algumas estatísticas interessantes desta corrida:

10 bandeiras verde (2h49m24)

5 Full Course Yellow (55m)

6 Safety-Car (1h08m27)

3 Bandeiras vermelha (1h07m39)

Retiraram-se quatro carros.

Esta é a Ana Catarina. Apaixonou-se pela Fórmula 1 com 14 anos e a partir desse momento, descobriu o mundo do desporto motorizado. Graças a isso, seguiu o caminho do jornalismo até se licenciar em Jornalismo e Comunicação, na capital do Alto Alentejo.

Esta é a Ana Catarina. Apaixonou-se pela Fórmula 1 com 14 anos e a partir desse momento, descobriu o mundo do desporto motorizado. Graças a isso, seguiu o caminho do jornalismo até se licenciar em Jornalismo e Comunicação, na capital do Alto Alentejo.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA