logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

We (Sometimes) Race as One…

We Race as One, ou “Nós Corremos Juntos”, foi a mensagem repetida vezes sem conta durante a época de 2020, como uma tentativa de promover a maior inclusão social, seja ela racial, étnica e de género ou outros, algo de facto novo neste desporto desde sempre dominado por homens brancos.

A única exceção é o melhor piloto desta geração, Lewis Hamilton. O homem que soltou um grito de revolta após a morte de George Floyd, um homem negro, que desarmado, foi morto por um polícia, que o sufocou, colocando um joelho no seu pescoço durante oito minutos e quarenta e seis segundos.

Este caso voltou a trazer para a montra do debate público, as questões de desigualdade racial, não só nos Estados Unidos da América, mas um pouco por todo o mundo “ocidental”, com o mais variado tipo de abordagens e opiniões, algumas delas que só mostravam o problema (estou a olhar para si, Rui Rio).

Lewis Hamilton, sendo a maior figura deste desporto, ao ponto que já é uma celebridade mundial, utilizou, e bem, as suas plataformas com o objetivo de promover esta mensagem de inclusão e igualdade racial, chamando à atenção para o facto de a Fórmula 1 ser maioritariamente gerida e organizada por homens brancos.

A mensagem foi ouvida, e criou-se a iniciativa “We Race as One”, que consiste num plano concreto para aproximar a Fórmula 1 de toda a gente, com um foco especial em minorias menos representadas, cujas dificuldades em entrar no mundo do automobilismo são notórias, e obviamente não é por falta de habilidade ou inferioridade, mas por questões económicas e sociais às quais foram submetidas.

Este é uma das medidas, mas a “task force” foca-se em mais, como igualdade de género, respeito pela identidade sexual, entre outras.

Isto, para mim, que acredito que toda a gente sem exceção deve ser tratada com igualdade e dignidade, é fantástico, e não venham com o “não metam política no automobilismo”. Garantir dignidade, igualdade de oportunidades e os direitos humanos de TODOS sem exceção não devia ser um debate político, deveria ser uma garantia, ponto final. Debatam sobre liberalismo vs socialismo, mas deixem os direitos humanos em paz.

O Luís tem 21 anos e é de Marco de Canavezes, tem em si uma paixão por automobilismo desde muito novo quando via o Schumacher num carro vermelho a dominar todas as pistas por esse mundo fora. Esse amor pelas 4 rodas é partilhado com o gosto por Wrestling que voltou a acompanhar religiosamente desde 2016.                                                                                                                                                 O Luís escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

O Luís tem 21 anos e é de Marco de Canavezes, tem em si uma paixão por automobilismo desde muito novo quando via o Schumacher num carro vermelho a dominar todas as pistas por esse mundo fora. Esse amor pelas 4 rodas é partilhado com o gosto por Wrestling que voltou a acompanhar religiosamente desde 2016.                                                                                                                                                 O Luís escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA