Esta quarta e quinta-feira, a caravana do MotoGP deslocou-se a Jerez de la Frontera para o último teste do ano. Depois de Valência chegou a altura de pôr em prova tudo aquilo que já foi testado na semana anterior.

O dia começou cinzento e dificultou o trabalho das equipas. A sessão que estava prevista para as 10h00 da manhã apenas teve início por volta das 11h30, devido ao forte nevoeiro. O plano era testar a mota de 2018 e depois a de 2019.

Destaque para a Honda que, tal como se verificou na temporada que terminou, continua um passo à frente. Marquez mantém-se nos primeiros lugares. No segundo dia de testes chegou até a estar na liderança, tendo terminado o dia em segundo lugar. Dois dias de testes muito positivos apesar da lesão no ombro esquerdo do espanhol. Lorenzo está a adaptar-se bem à Honda e é visível um grande esforço por parte da equipa para que o piloto espanhol tenha as melhores condições para estar no topo da tabela de tempos. Terminou o segundo dia de testes no quarto lugar. Uma excelente prestação do piloto da Honda que, mesmo com uma lesão no braço ainda por curar, provou que o melhor ainda está para vir.

A Ducati também se manteve nos lugares de topo, nos dois dias, em Jerez. Danilo Petrucci foi o mais rápido no primeiro dia; no segundo terminou no quinto lugar. É notório que o italiano está a dar o máximo na nova equipa e a melhorar a cada dia. Andrea Dovizioso também teve boas sensações durante estes dois dias e terminou no top 10. A equipa não testou motores e focou-se principalmente na parte eletrónica e no chassis, com o piloto de testes, Álvaro Bautista a testar algumas opções mais arrojadas.

Anúncio Publicitário

Sendo a Ducati e a Honda as equipas que melhor se saíram nos testes, Andrea Dovizioso e Marc Marquez continuam a ser os principais alvos a abater. Tanto o italiano como o espanhol serão, sem dúvida, candidatos ao título de 2019. Resta apenas saber quem se irá juntar à festa.

Com aquilo que foi possível ver da equipa da Yamaha nestes dois dias, dificilmente estará na luta pelo título. No primeiro dia, compararam motores e no segundo tomaram a decisão final. No entanto, na equipa de Valentino Rossi e Maverick Viñales ainda há muito trabalho pela frente. O grande problema nos últimos anos tem sido o motor, precisamente a única coisa em que se focaram nestes dois dias. Dito isto acabaram por ficar de parte quaisquer elementos da parte eletrónica e chassis. A tração é uma das questões que se percebeu que deve ser melhorada.

Valentino Rossi a testar o novo motor da Yamaha para 2019
Fonte: MotoGP

Uma das caras mais desapontadas ao longo destes dias em Jerez foi, precisamente, o italiano Valentino Rossi. O piloto não consegue esconder os seus receios e diz que não vê muita diferença entre esta mota e a de 2018. Para além do problema com a escolha do motor certo, o italiano também se mostra preocupado com os pneus. “The Doctor” não está muito contente e reforça que, durante a pausa de inverno, há muita coisa a ser feita na Yamaha de 2019. Isto se quiserem estar de forma consistente na luta pelo pódio e, quem sabe, algumas vitórias. Apesar de, no último dia, Rossi parecer um pouco mais animado, pois melhorou o seu tempo, o veterano continua a dizer que falta alguma coisa. No entanto, e apesar de todos os problemas, a Yamaha conseguiu terminar os testes em Jerez com Viñales em terceiro lugar e Rossi em 11.º.