cab desportos motorizados

Antes de a prova a que chamam Dakar começar tínhamos todos a esperança de que 2016 fosse o ano da vitória de um português, mas como vem sendo hábito ainda não foi desta.

Paulo Gonçalves foi quem esteve mais próximo de dar esta alegria aos portugueses, liderando a prova por quatro etapas, mas teve uma prova muito azarada a início e a partir da oitava etapa, onde lhe aconteceu de tudo um pouco, tendo desistido no decorrer da 11.ª etapa, quando era oitavo depois de uma penalização. Ruben Faria desistiu na sexta etapa com um pulso partido, numa altura em que era sétimo. Ficaram assim de fora duas das melhores esperanças lusas.

Quem conseguiu chegar ao fim foi Hélder Rodrigues, que ficou em quinto lugar. Um excelente resultado, tendo em conta a prova que fez, mas do qual fica um sabor amargo por parecer que faltou alguma coisa que o aproximasse da liderança. Hélder Rodrigues foi o melhor homem da Yamaha.

Mas o grande destaque tem de ir para Mário Patrão, que ficou em 13.º da geral e venceu a classe Maratona. Ou seja, o piloto de Seia fez os nove mil quilómetros da prova sem alterar nada a nível mecânico. Esta categoria destina-se a quem não tem uma moto de fábrica. O piloto de Seia conseguiu assim o seu melhor resultado na prova sul americana. Ainda entre os lusos, Pedro Bianchi Prata terminou em 69.º numa prova onde não foi feliz mas em que cumpriu o seu principal objetivo, que era o de chegar ao final.

Anúncio Publicitário

Nos carros Carlos Sousa também não foi feliz, desistindo na quinta etapa após saída de estrada quando estava em 54.º. O piloto de Lisboa estava a recuperar várias posições depois de problemas no motor na segunda etapa. Já Filipe Palmeiro conseguiu levar o chileno Boris Garafulic até ao final, chegando em 23.º. Nos camiões José Martins não teve melhor sorte que Gonçalves, Faria e Sousa e também desistiu. O único piloto português nesta categoria desistiu também na quinta etapa quando seguia em 48.º.

Peterhansel venceu mais uma edição da prova Fonte: Dakar Rally
Peterhansel venceu mais uma edição da prova
Fonte: Dakar Rally

Abandonando agora os portugueses e indo aos vencedores das diversas categorias, o grande destaque vai para Toby Price, o primeiro piloto não latino a vencer nas motos. O piloto da KTM fez uma grande prova e teve uma vitória justa. A marca austríaca vence esta categoria desde 2001. A completar o pódio ficou Svitko e Quintanilla.

Nos carros a Peugeot conseguiu apagar a péssima imagem deixada no ano passado e Loeb foi mesmo uma grande surpresa e dominou a primeira parte da prova, mas terminou apenas em nono depois de alguns acidentes. Apesar disto foi da marca do leão o vencedor da prova: nada mais que o campioníssimo Stéphane Peterhansel, que assim chegou à sua 13.ª vitória. O vencedor de 2015 ficou em segundo, Nasser Al-Attiyah foi sempre regular; a fechar o pódio ficou Giniel de Villiers, o homem da Toyota, vencedor de 2009. Tem sido dos pilotos mais regulares ao longo dos anos. Queria ainda destacar Mikko Hirvonen, que na sua estreia terminou em quarto, um resultado muito bom e uma das poucas vezes em que conseguiu bater Loeb.

Nas restantes categorias Gerard de Rooy voltou a vencer nos camiões depois de 2012, sendo o único não russo a conseguir vencer na América do Sul. Marcos Patronelli venceu nos Quads, a sua terceira vitória nesta categoria.

Em 2017 a prova volta. Resta saber se continua a ser esta coisa na América do Sul ou se volta a África; mas a voltar a África pelos vistos será a começar em Angola e a acabar na África do Sul. A prova está cada vez mais um negócio, perdendo o seu espírito inicial.

Foto de capa: Mário Patrão