Anúncio Publicitário

A CRÓNICA: JOGO DIFÍCIL, MAS O MAIS IMPORTANTE FOI CONSEGUIDO!

O primeiro passo do campeão europeu em título (Sporting CP) foi dado esta quarta-feira na Eslovénia, país que traz ótimas memórias ao futsal português (foi neste país que fomos campeões europeus de seleções em 2018) que um dos nossos representantes abriu a competição contra um rival duro.

No entanto, não tem a mesma equipa que no ano anterior, em que foi campeão francês, mas, entretanto, viu-se relegada para o segundo escalão devido a motivos fora da quadra.

O Sporting CP entrou muito forte no encontro e marcou logo no segundo minuto, com um míssil de Erick Mendonça que não deu hipóteses de defesa a Careca, guardião brasileiro da equipa francesa.

Anúncio Publicitário

Logo na jogada seguinte, o ACCS empatou, num lance algo confuso e onde fica a ideia que o guarda-redes leonino podia ter feito um pouco melhor, golo esse apontado por Mesrar. Foi uma entrada alucinante no encontro, logo com dois tentos a abrir e com mais uma série de boas intervenções de Careca a evitar a vantagem dos leões.

Nos minutos seguintes o jogo acalmou como esperado, porque era impossível este ritmo manter-se durante a totalidade do tempo.

O resto da primeira parte foi maioritariamente passada no meio-campo da equipa francesa, mas Careca e algum desacerto dos jogadores do Sporting não refletiam no marcador o maior domínio da equipa portuguesa durante grande parte dos 20 minutos.

Depois dos primeiros minutos loucos o jogo assentou, mas o domínio do conjunto verde e branco acentuou-se, com exceção dos minutos finais um pouco mais “anárquicos”.

A figura nestes primeiros minutos foi claramente o guardião do adversário, com muitas intervenções de qualidade e a manter o seu emblema na discussão pela vitória.

Pela negativa Zicky Té, a falhar alguns lances aparentemente simples e que o pivot português normalmente não costuma falhar.

A última metade iniciou precisamente da mesma forma, o Sporting por cima e a criar oportunidades mas o guarda-redes brasileiro do ACCS mantinha a sua exibição memorável.

O balde de água gelada surgiu a 11 minutos do final, com um golo de Touré a partir de um contra-ataque rápido bem finalizado pelo jogador francês.

A dez minutos do final foi assinalado um penalty a favor da equipa lisboeta, por mão na bola de um jogador da equipa parisiense, cabendo a Cavinato a responsabilidade de transformar esta oportunidade em golo e aí o jogador leonino não desperdiçou, devolvendo o empate à partida.

No minuto seguinte, Mamadou Touré finalizou com sucesso uma arrancada brilhante e marcou o terceiro do ACCS, tendo o Sporting ainda nove minutos para inverter a situação.

Alex Merlim marcou o golo decisivo, após um remate fortíssimo que só parou no fundo da baliza de Careca.
Fonte: Sporting CP

A 7 minutos do fim, surgiu o golo da tarde, uma finalização de Guitta após uma jogada de 5×4 improvisada com o redes brasileiro a criar superioridade numérica e a finalizar uma jogada criada por ele, após defesa incompleta de Careca.

A pouco mais de quatro minutos do fim, mais uma bomba a bater Carela, sem a mínima hipótese de defesa após o remate de Merlim.

Até ao fim, nada mais de relevante se passou, pese embora a equipa parisiense tenha apostado tudo no guarda-redes avançado mas sem criar grandes sobressaltos junto da baliza de Guitta.

Resumindo, vitória difícil mas justa do campeão europeu, perante um rival complicado que vai obviamente subir de divisão e que tem uma equipa muito forte, e caso consiga resolver os problemas financeiros tem tudo para ser uma das equipas mais poderosas da Europa.

Isto tudo num dia em que também o SL Benfica entrou com o pé direito na competição, vitória 2-1 diante dos belgas do Halle Gooik.

A FIGURA

Fonte: ACCS Futsal Club

Careca – Que exibição espetacular do guardião canarinho, sofreu quatro golos mas salvou muitos mais e manteve sempre o ACCS na discussão do encontro.

O FORA DE JOGO

Zicky
Fonte: Sebastião Rôxo / Bola na Rede

Zicky Té – Jogo desinspirado do internacional português, a desperdiçar ocasiões que normalmente não falha. Há dias assim, não belisca em nada a enorme qualidade que Zicky apresentou e apresenta na grande maioria dos encontros.

 

ANÁLISE TÁTICA – SPORTING CP

Nuno Dias optou por iniciar o encontro em 4×0, sem um pivot de referência, entrando Zicky sempre que se justificasse. O jogo do Sporting foi globalmente bom mas a finalização tem que melhorar muito nas fases seguintes.

 

5 INICIAIS E PONTUAÇÕES

Guitta (7)

João Matos (7)

Diego Cavinato (7)

Alex Merlim (7)

Erick Mendonça (7)

SUBS UTILIZADOS

Tomás Paçó (6)

Pany Varela (6)

Caio Ruiz (6)

Miguel Ângelo (6)

Zicky Té (5)

Waltinho (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – ACCS

Ao contrário do seu homólogo, Sérgio Mullor apostou numa equipa inicial 3×1, com um pivot de referência no ataque, nomeadamente Souheil Mouhoudine também com constantes mudanças e outras nuances táticas ao longo do tempo regulamentar.

5 INICIAIS E PONTUAÇÕES

Careca (8)

Nélson Lutin (6)

Abdessamad Mohammed (6)

Soufiane El-Mesrar (7)

Souheil Mouhoudine (6)

SUBS UTILIZADOS

Bilal Bakkali (6)

Murilo Duarte (6)

Thiago Bolinha (6)

Mammadou Touré (8)

Rodriguinho (6)

Foto de capa: Sporting CP

Sporting, Sporting

Anúncio Publicitário

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome