logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Benfica Hóquei em Patins

ACD Gulpilhares 3-12 SL Benfica: Encarnados goleiam sem brilho

A CRÓNICA: BENFICA A MEIO GÁS CARIMBOU APURAMENTO

Na festa da Taça, as gentes de Gulpilhares fizeram uma viagem ao passado quando a equipa militava na I Divisão. O sorteio dos 1/16 avos da Prova Rainha em Hóquei em Patins fizeram com que o SL Benfica e a equipa de Vila Nova de Gaia se voltassem a cruzar.

Os primeiros minutos jogaram a um ritmo bastante lento. O Benfica, com mais posse e mais adiantado no terreno, não criava muitas oportunidades e as situações que apareciam eram resolvidas por Rui Gomes e os seus companheiros de equipa.

Por volta do quinto minuto da partida, Pol Manrubia atirou da linha do meio campo para o fundo da baliza do Gulpilhares. Apesar do golo sofrido, a equipa do Gulpilhares não se amedrontou e criou várias oportunidades na sequência de transições rápidas, bem resolvidas pelo guarda-redes Rodrigo Vieira.

O marcador só voltou a mudar a 14 minutos do intervalo, com Nicolía a disparar também de longe e a fazer o 2-0. Contudo, o Gulpilhares fez o primeiro golo na jogada seguinte, por João Costa, que marcou na recarga a uma boa defesa do guardião encarnado.

O golo dos anfitriões acordou o Benfica, que fez três golos de rajada em menos de dois minutos e pôs-se a vencer por 5-1. Ao ver o encavalgamento do ritmo do jogo dos encarnados, o treinador do Gulpilhares requereu uma pausa técnica e o ritmo da partida voltou a diminuir até ao intervalo. Até ao final da primeira parte houve ainda um golo para cada um dos lados.

No segundo tempo, o Benfica atirou a todo o gás e fez logo no primeiro minuto o 7-2, por Nicolía. O jogo voltou a estar partido com mais golos para os encarnados e com o terceiro golo do Gulpilhares, numa boa jogada construída por Rafael Oliveira e finalizada por João Costa.

Ao décimo golo, os encarnados voltaram a abrandar e repartiram o domínio e a posse com a equipa da casa. Até ao final da partida, houve mais golos da equipa da Luz.

Vitória sem contestação dum Benfica a meio gás frente a um rival de um nível inferior, mas que mostrou ter vários jogadores talentosos.

A FIGURA

Rodrigo Vieira – O jovem guarda-redes encarnado mostrou ser uma boa alternativa ao capitão Pedro Henriques. Apesar da diferença de forças, o Gulpilhares conseguiu criar perigo e Ricardo Vieira teve várias intervenções a bom nível, mesmo a “frio” pôs o Benfica a passar mais tempo no ataque.

O FORA DE JOGO

Edu Lamas
Fonte: Pedro Miguel Reis / Bola na Rede

Primeiros minutos dos encarnados – O Benfica entrou muito lento na partida com uma troca de bola lenta e jogadas bastante previsíveis. Os desequilíbrios foram conseguidos, sobretudo de meia distância, que possibilitaram os dois primeiros golos. O golo do Gulpilhares acordou o “gigante” adormecido e a partir daí criaram o fosso no resultado.

 

ANÁLISE TÁTICA – ACD GULPILHARES

A equipa de Vila Nova de Gaia a competir na III Divisão apostou nos contra-ataques para levar perigo à baliza encarnada. Com as armas que tinham, os comandados por Pedro Pinto tentaram diminuir o ritmo de jogo para adormecer os encarnados. A estratégia ruiu precisamente depois do primeiro golo do Gulpilhares, que espevitou as aguias.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Rui Gomes (7)

Diogo Granja (6)

Paulo Pereira (6)

Nuno Ferreira (6)

 João Pires (6)

SUBS UTILIZADOS

Rafael Ferreira (6)

João Costa (7)

Rafael Oliveira (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – SL BENFICA

A equipa de Nuno Resende teve várias novidades na convocatória e no cinco inicial. O conjunto encarnado apresentou-se a um ritmo bastante mais baixo, só acelerando com o primeiro golo do Gulpilhares e no início da segunda parte. Perante a muralha dos homens do Gulpilhares em frente da sua grande área defensiva, os visitantes recorreram muitas vezes a meia distância para atacar a baliza de Rui Gomes.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Rodrigo Vieira (7)

Edu Lamas (7)

Pablo Alvarez (7)

Pol Manrubia (8)

 Lucas Ordoñez (7)

SUBS UTILIZADOS

Pedro Henriques (-)

Tiago Sanches (6)

Carlos Nicolía (7)

Poka (8)

Gonçalo Pinto (7)

Artigo revisto por Joana Mendes

Curioso em múltiplas áreas, o desporto não podia escapar do seu campo de interesses. O seu desporto favorito é o futebol, mas desde miúdo, passava as tardes de domingo a ver jogos de basquetebol, andebol, futsal e hóquei nacionais.

Curioso em múltiplas áreas, o desporto não podia escapar do seu campo de interesses. O seu desporto favorito é o futebol, mas desde miúdo, passava as tardes de domingo a ver jogos de basquetebol, andebol, futsal e hóquei nacionais.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA