Cabeçalho modalidadesO Hóquei em Patins é uma modalidade mágica! É uma das poucas onde o rumo de um jogo e de um campeonato pode mudar de um momento para o outro. Foi exatamente isso que aconteceu na tarde de sábado. Num pavilhão Fidelidade com lotação esgotada e onde estiveram dois espetadores especiais, Pedro Henriques e Marc Torra, o Benfica fez o que parecia impossível e em cinco minutos virou um resultado de 3-6 para 7-6, mantendo a liderança.

Os primeiros minutos de jogo demonstravam um Benfica mais objetivo na procura pela baliza adversária, ao passo que a Oliveirense optava por posses de bola longas. Só aos quatro minutos surgiu a primeira grande oportunidade. João Rodrigues, isolado, não bateu Puigbi. Apesar do esforço encarnado em marcar, foi a União a abrir o ativo. Ricardo Barreios entrou à vontade na defesa benfiquista e fez o 1-0. Pouco depois, Jordi Bargalló viu um cartão azul por falta sobre Diogo Rafael, que seguia isolado para a sua baliza. Jordi Adroher, que andava com um bom acerto nas bolas paradas, foi o escolhido para a conversão do livre-direto, mas não conseguiu marcar. Mesmo em situação de superioridade numérica, embora tenha criado várias situações de golo certo, o resultado não sofreu alterações.

Antes do jogo, João Rodrigues recebeu o prémio de hoquista do ano do Benfica Fonte: Sport Lisboa e Benfica - Modalidades
Antes do jogo, João Rodrigues recebeu o prémio de hoquista do ano do Benfica
Fonte: Sport Lisboa e Benfica – Modalidades

A fraca capacidade de finalização parecia afetar o Benfica que parecia algo adormecido. Esta situação de jogo colocava Traball com muito trabalho, exemplo disso foi um lance iniciado numa falha de Miguel Rocha que deixou Bargalló perto do 2-0. Aos dezasseis minutos, ás aguias tiveram uma chance de acordar, em virtude de uma grande penalidade cometida sobre João Rodrigues. O próprio tentou converter o penalti, mas o guarda-redes visitante voltou a estar melhor.

Anúncio Publicitário

Com menos de dez minutos para o intervalo, a Oliveirense era a melhor equipa em pista e ia tendo várias oportunidades de aumentar a vantagem, pelo que o Benfica mantinha a toada sonolenta.

A cerca de seis minutos para a pausa, os encarnados iam dando alguns de estar a regressar ao jogo. Porém, as decisões atacantes não eram as melhores e as chances de fazer golo continuavam a sair goradas. Por outro lado, a União tentava controlar a partida.

Já dentro dos últimos dois minutos da primeira parte, Jordi Bargalló viu um novo cartão azul. Diogo Rafael foi o escolhido para a marcação de mais um penalti, mas tal como João Rodrigues, o número quatro benfiquista não conseguiu ultrapassar Puigbi. Novamente em superioridade numérica, os encarnados tiveram várias oportunidades para marcar, mas o 1-0 manteve-se.

Nos últimos instantes da primeira parte, a Oliveirense esteve perto de aumentar o score, mas Pedro Moreira acertou na barra.