Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidadesIntensidade e espetáculo. Esta duas palavras podem descrever o clássico desta tarde no Dragão-Caixa, pavilhão que esteve esgotado. Num encontro que o Porto tinha de ganhar para manter as suas aspirações do título vivas, os azuis e brancos conseguiram levar de vencido o Benfica por 9-7 e reingressou nas contas do campeonato.

O jogo teve um inicio bastante rápido e intenso, com ambas as equipas a quererem marcar cedo, por isso, os dois guarda-redes foram obrigados a brilhar desde cedo. Apesar das várias tentativas, o primeiro golo só surgiu aos seis minutos. Através de um contra-ataque, Reinaldo Garcia, totalmente isolado, fez o 1-0. Minutos depois, igualmente de contra-ataque, após um passe de João Rodrigues, Diogo Rafael assistiu Nicolia para o empate. Passados alguns segundos, iniciativa individual de Nicolia e estava consumada a reviravolta.

Depois de ter começado a perder, os encarnados deram a volta ao marcador e estavam melhor em pista. Essa superioridade ficou ainda mais evidenciada quando, aos dezassete minutos, João Rodrigues, de penalti, fez o 3-1.

Hélder Nunes esteve em grande ao marcar três golos Fonte: FC Porto
Hélder Nunes esteve em grande ao marcar três golos
Fonte: FC Porto

Os dragões iam tendo dificuldades em entrar na defensiva benfiquista, mas com pouco mais de oito minutos para o intervalo, Vítor Hugo reduziu para 3-2. Contudo, o Benfica respondeu e Adroher, novamente de penalti, apontou o 4-2. Os azuis e brancos não se deixaram ficar e num espaço de dois minutos, Gonçalo Alves com uma iniciativa individual e Hélder Nunes, que roubou o esférico a Nicolia e seguiu isolado para a baliza, empataram o encontro.

Em virtude dos dois golos quase seguidos, o Porto ganhou um elã e ia colocando os encarnados em dificuldades. Todavia e embora a intensidade e a luta pela posse de bola, o resultado não se voltou a alterar e o jogo seguiu empatado a 4-4 para o intervalo.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários