logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Minsk 2019: Portugal brilhou!

A segunda edição dos Jogos Europeus terminou domingo e Portugal brilhou. Foram 15 medalhas conquistadas, das quais três de ouro e muitas prestações muito boas dos 99 atletas que nos representaram na Bielorússia.

Estas 15 medalhas, que valeram o 17º lugar no “medalheiro”, foram divididas em três de ouro, seis de prata e seis de bronze, e por novo modalidades: Canoagem, Futebol de Praia, Judo, Atletismo, Ciclismo, Ténis de Mesa, Karaté, Ginástica de Trampolim e Ginástica Artística.

Vamos então enumerar as medalhas portuguesas. Os ouros foram conquistados por Carlos Nascimento nos 100m (Atletismo), Fu Yu na competição de Ténis de Mesa feminina e pela seleção nacional de Futebol de Praia. Das seis pratas conquistadas, duas foram por Fernando Pimenta no K1 1000m e K1 5000m (Canoagem), por Nélson Oliveira no Contra-relógio (Ciclismo), pela equipa de Judo na competição mista e por Francisca Maia, Francisca Sampaio Maia e Bárbara Sequeira, que o conseguiram por duas vezes em Ginástica Acrobática, no exercício Dinâmico e no exercício combinado. O trio de ginastas venceu também o bronze no exercício de Balanço. Os restantes bronzes foram conquistados por Telma Monteiro em -57Kg (Judo), por Ricardo dos Santos, Cátia Azevedo, Rivinilda Mentai e João Coelho nos 4x400m (Atletismo), por Diogo Ganchinho no exercício individual de Ginástica de Trampolins, pela equipa masculina de Ténis de Mesa e por Patrícia Esparteiro no exercício de Kata (Karaté).

Francisca Maia, Francisca Sampaio Maia e Bárbara Sequeira conquistaram três medalhas em Minsk
Fonte: Comité Olimpico de Portugal

Esta prestação portuguesa foi muito positiva a vários níveis, desde logo pela conquista de medalhas em nove modalidades distintas, o que prova a qualidade global do desporto português. Para mim, e sendo totalmente sincero, as três medalhas conquistadas por Francisca Maia, Francisca Sampaio Maia e Bárbara Sequeira foram a principal surpresa, porque não conhecia nenhuma das ginastas, o mesmo acontecendo com Patrícia Esparteiro.

A nível de atletas que conheço a minha maior surpresa foi o ouro de Fu Yu, assumo que não esperava o ouro na vertente feminina, estava mais apontado para uma medalha masculina. Fernando Pimenta esteve ao seu nível, mas esperava que pudesse chegar a pelo menos um ouro. No judo, também esperava que pudesse ter sido alcançada mais uma ou outra medalha e assumo que fiquei desiludido com perda para a Rússia na medalha coletiva. Antes de começar o combate assumo que não esperava o ouro, mas depois de estar 3-0, a apenas uma vitória do título fiquei desiludido.

Noutros aspectos, deixo como nota negativa dos Jogos Europeus a vertente do Atletismo praticada, o DNA, que pode ser melhor analisada no artigo do Pedro Pires que pode ler aqui. Esta é uma competição que pode animar por causar alguma incerteza, mas que acho que vai contra o que deve ser a modalidade em si, até por cortar um grande número de disciplinas do Atletismo.

No artigo que escrevi para o Bola na Rede há quatro anos a fazer o resumo da participação portuguesa na primeira edição dos Jogos Europeus terminei da seguinte forma: “[…]Portugal não é só futebol. Até acrescento, Portugal é muito mais que futebol”. Esta edição dos Jogos Europeus foi mais uma prova disto e espero que tenha sido mais um abre-olhos para todos nós. Não podemos esperar alcançar 15 medalhas nos próximos Jogos Olímpicos, é impossível, mas acredito que estas prestações tenham sido uma motivação extra para o que resta de preparação e apuramento olímpico.

Foto de Capa: Comité Olímpico de Portugal

O Rodrigo adora desporto desde que se lembra de ser gente. Do Futebol às modalidades ditas amadoras são poucos os desportos de que não gosta. Ele escreve principalmente sobre modalidades, por considerar que merecem ter mais voz. Os Jogos Olímpicos, por ele, eram todos os anos.                                                                                                                                                 O Rodrigo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

O Rodrigo adora desporto desde que se lembra de ser gente. Do Futebol às modalidades ditas amadoras são poucos os desportos de que não gosta. Ele escreve principalmente sobre modalidades, por considerar que merecem ter mais voz. Os Jogos Olímpicos, por ele, eram todos os anos.                                                                                                                                                 O Rodrigo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA