Anterior1 de 3Próximo

Mais uma eliminatória concluída e estão definidas as Meias-de-Final do Campeonato do Mundo de Snooker, que se iniciam já esta Quinta-Feira.

Ali Carter vinha motivadíssimo dos Oitavos-de-Final, onde eliminou Ronnie O’Sullivan com todo o mérito. Depois do Rocket, Carter tinha pela frente outro dos membros da classe de luxo que iniciou a sua carreira em 1992, Mark Williams. O galês tinha deixado para trás Robert Milkins e Jimmy Robertson nas eliminatórias anteriores e entrava neste jogo com esperança de voltar às Meias-de-Final do Campeonato do Mundo. Williams já tinha atingido essa fase em cinco ocasiões, tendo a primeira sido em 1998 (há 20 anos!) e a última em 2011.

Mark Williams fez pela vida e começou o encontro logo com uma entrada de 135 pontos, adiantando-se no marcador. O encontro entrou numa toada de muito equilíbrio, com os frames a serem divididos de forma semelhante entre Carter e Williams, até ao momento em que o resultado era 8-7 a favor de Williams. Nesta fase, o galês que já foi campeão do mundo em duas ocasiões (2000 e 2003) conseguiu vencer três frames consecutivos e, com o resultado em 11-7, encostou Ali Carter às cordas. Carter ainda conseguiu reduzir para 11-8, mas Williams acabaria por vencer o encontro por 13-8 e apurar-se assim para as Meias-de-Final da competição sete anos depois.

Mark Williams apurou-se para as Meias-de-Final depois de eliminar Ali Carter
Fonte: World Snooker

Ali Carter não escondeu o descontentamento pela eliminação, mas recordou que foi infeliz no sorteio: “apanhei um campeão do Mundo na primeira ronda (Graeme Dott, 2006), outro na segunda ronda (Ronnie O’Sullivan, campeão em 2001, 2004, 2008, 2012 e 2013) e mais outro agora nos quartos (Williams em 2000 e 2003)”.

Já Mark Williams mostrou-se satisfeito e confiante para o que resta do torneio, afirmando que “é muito bom, sete anos depois, voltar a umas meias-finais. Estou nas nuvens, e faltam dois jogos. Estranhamente, sinto-me confiante e relaxado. Isto está bom para continuar. Parece que estou nos meus bons velhos tempos malta, já não me sentia assim há muito tempo”.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários