Cabeçalho modalidades

Já são duas as edições do Millennium Estoril Open, no entanto, e no que aos portugueses diz respeito, a história não tem grandes diferenças. Tal como no ano passado, não temos qualquer representante luso nos quartos-de-final. No dia de hoje, foi a vez de João Sousa cair aos pés de Nicolas Almagro.

João Sousa voltou a desiludir

O melhor tenista português de todos os tempos, João Sousa, voltou a não conseguir concretizar as expectativas que nele eram depositadas. O português, que até entrou melhor no encontro, acabou por sair derrotado pelo espanhol Nicolas Almagro com os parciais de 4-6, 6-1 e 6-2.

Na primeira partida, Sousa apresentou-se muito consistente: poucos erros não forçados e excelentes percentagens de aproveitamento do primeiro (75%) e segundo (60%) serviços. O vimaranense, que teve de salvar dois pontos de break quando o marcador estava em 5-4, acabaria por conquistar o primeiro set por 6-4.

Anúncio Publicitário

Contudo, no segundo parcial, Almagro, que nos últimos tempos tem sido uma autêntica montanha russa de emoções, elevou bastante o seu nível de jogo. O espanhol, que durante todo o primeiro set esteve a ser atacado na sua esquerda, soltou o braço e os winners começaram a sair. Por sua vez, João Sousa conquistou apenas 33% dos pontos quando colocou o primeiro serviço. Foi, por isso, naturalmente que Almagro venceu a segunda partida por uns expressivos 6-1.

João Sousa pregou um valente susto ao público português Fonte: Millenium Estoril Open
João Sousa pregou um valente susto ao público português
Fonte: Millenium Estoril Open

Na terceira e decisiva partida, Almagro voltou a superiorizar-se ao português. João Sousa, que chegou a assustar o público após uma aparatosa queda, até elevou a percentagem de primeiros serviços (74%). Contudo, conquistou apenas metade dos pontos quando tal aconteceu. Mas, e para se ter noção do nível a que o espanhol se exibiu, Almagro venceu todos os pontos em que colocou a primeira bola.

O espanhol, deve dizer-se, venceu porque foi melhor do que o português e nada mais. João Sousa não acusou em nada a pressão e até jogou a um nível aceitável. Todavia, a verdade é que o melhor nível de Almagro é muito superior ao melhor de Sousa.