cab ténis O melhor tenista português da actualidade, João Sousa, perdeu esta madrugada frente a Andy Murray na 3ª ronda do Australian Open frente ao n.º6 mundial, Andy Murray. por 6/1 6/1 e 7/5. Ao tenista português ainda falta muito para poder chegar ao nível dos top 10, mas João Sousa tem de olhar para o topo e não para o lado. Quando digo que falta um “grande Danoninho” a João Sousa não é como forma de critica. É porque Portugal tem um tenista que está entre os melhores do mundo e que para crescer tem de olhar é para cima e não para o lado. João Sousa está no top50 por mérito próprio, fruto do seu sacrificio e dedicação, e é até onde ele tiver capacidade de trabalho que ele conseguirá chegar. Quanto ao jogo em si, o tenista português até foi o primeiro a ter um ponto para quebrar o serviço de Murray, mas não conseguiu levar a sua avante e Andy Murray, quiçá desperto pela possibilidade de correr atrás do prejuízo, aplicou um contundente 6/1 no set inaugural desta 3.ª ronda. No segundo set, domínio ainda mais avassalador para Andy Murray, com o campeão olímpico a não permitir sequer a Sousa sonhar com a quebra do serviço. Novamente 6/1 e vantagem enorme para um tenista da tarimba de Murray, que com uma vantagem de dois set’s não a iria certamente deixar escapar. No terceiro e aquele que viria a ser o último set, João Sousa mostrou outra garra e vendeu cara a derrota, conseguindo levar o parcial a um 7/5. E apesar da maior igualdade nesta última partida, a verdade é que a vitória de Murray nunca esteve em causa. No final do encontro João Sousa disse à Lusa que não se exibiu a um nível tão elevado como seria necessário para dificultar a tarefa a Andy Murray e a verdade é que ao português faltam ainda uma série de predicados para poder aproximar-se ainda mais do top dos tops. Veja-se por exemplo que Andy Murray somou nove ases. Foram mais de dois jogos conquistados sem esforço, enquanto João Sousa não somou nenhum. São estes detalhes que a este nível fazem toda a diferença, e é muito bom ter João Sousa a “este nível”. Agora o foco tem de ser só um: olhar cada vez mais para o topo. Não posso terminar sem deixar de lamentar a derrota de Roger Federer na 3.ª ronda do primeiro Grand Slam da temporada frente a Andreas Seppi. Esta é uma derrota imperdoável para o suíço, que tem responsabilidades, especialmente nos quatro torneios mais importantes da temporada, que é onde concentra a sua temporada. Há 12 anos que Federer não perdia antes das meias-finais no Austrália Open. Tendo em conta a forma como Federer se tinha vindo a mostrar no início desta temporada, pedia-se mais ao campeonissímo suíço. João Sousa está ainda em prova em pares ao lado de Santiago Giraldo.

Foto de Capa: ausopen.com

Comentários

Artigo anteriorAinda não foi desta
Próximo artigoAdeus, Xerife!
O Miguel jogou ténis durante mais de dez anos, sendo actual vice-presidente do clube ténis da sua terra natal, Almeirim. Para além disso, acompanha a modalidade desde 2008, tendo feito já a cobertura do Portugal Open, entre outros, e tendo sido já comentador convidado da Eurosport para a modalidade.                                                                                                                                                 O Miguel não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.