Anterior1 de 2Próximo

Se há dois anos alguém me dissesse que Julien Weigl chegaria ao SL Benfica, pela “irrisória quantia” (irrisória comparada com o valor do jogador, à data) de 20 milhões de euros, diria que a pessoa estava a ter um surto extremo de positivismo. Quais foram as circunstâncias que proporcionaram a chegada do jogador, nestes termos, a Portugal? O que pode Weigl trazer à equipa? Esta transferência é sinal de uma mudança na política de transferências do clube?

Weigl chegou ao BV Borrussia Dortmund, na época de 2015/2016, proveniente do TSV 1860 Munique. Rapidamente, o jovem alemão foi conquistando Thomas Tuchel, à data treinador da equipa amarela e preta. É de notar a forte concorrência que se sentia no meio campo do Dortmund naquela altura: Kevin Kampl, Gonzalo Castro, Kagawa, Sahin, Gundogan ou Mkhitaryan, todos eram opções para Tuchel.

Com a saída de alguns destes atletas, o protagonismo de Weigl foi aumentando, tendo o novo camisola 28 das águias se afirmado como uma das maiores jovens promessas no meio campo, no contexto europeu, atraindo a atenção de tubarões como o PSG ou o Manchester City FC. As suas exibições levaram mesmo o jovem a representar a mannschaft (seleção alemã).

Quando atravessava uma excelente fase da sua ainda curta carreira, Weigl sofreu uma fratura no tornozelo, que o afastou dos relvados durante alguns meses. O alemão recuperou bem da lesão e continuou a ser uma das principais opções agora de Peter Bosz.

No entanto, fruto de uma baixa exibicional, foi perdendo algum do protagonismo que tinha adquirido, tendo mesmo pedido transferência no final da época 2017/18 – transferência essa que não se viria a suceder. Com a chegada de Lucien Favre, em 2018, Weigl foi perdendo, progressivamente, espaço na equipa alemã. Favre deu mais minutos aos recém-chegados Witsel e Delaney, e ao médio alemão Dahoud, no seu duplo-pivot de meio campo.

Weigl não desapareceu totalmente do 11 inicial do treinador suíço, contudo era muitas vezes utilizado a defesa central, uma posição onde o jogador dificilmente pode mostrar toda a sua qualidade. Mesmo quando utilizado no meio campo, Weigl tinha instruções para fechar junto dos defesas centrais, de forma a dar mais consistência defensiva à equipa, como foi possível observar no jogo frente ao FC Barcelona ou ao SC Paderborn, já esta temporada.

Depois da lesão, Weigl foi perdendo protagonismo na equipa alemã, passando mesmo a ser utilizado como defesa central
Fonte: BVB Dortmund

A perda de protagonismo e o descontentamento face à posição na qual era utilizado foram, na minha opinião, fatores preponderantes que levaram o jovem alemão a abandonar a Bundesliga.

Julian chega ao Benfica já com nome europeu. A contratação do alemão traz aos encarnados enormes benefícios do ponto de vista desportivo, mas também mediático.

Aquando da sua excelente forma no BVB Dortmund, Weigl foi comparado a Busquets pelo próprio Pep Guardiola. Na Alemanha, era apelidado de passing machine (máquina de passes). A alcunha é inteiramente merecida, pois é no momento de construção que o jogador, nascido em Aibling, mais brilha.

Com a bola nos pés, Weigl é um jogador diferenciado. Coloca o esférico nos colegas como poucos. Estatisticamente falando, Weigl completa 91% dos passes que tenta por jogo. No parâmetro de passes para o meio campo adversário, a eficácia mantém-se nuns impressionantes 87%. Já no que diz respeito aos passes longos – uma das grandes especialidades do jogador -, a eficácia é de 77%.

Uma eficácia de passe a este nível só é possível se o jogador tiver um excelente entendimento do jogo e um grande QI futebolístico. Weigl dispõe de ambos. O jogador parece tomar quase sempre a decisão certa, demonstrando ter uma experiência e maturidade anormais para a sua idade. Além da decisão, o médio alemão é exímio na execução. Apesar de não ser um jogador muito dado a desequilíbrios individuais, tem uma excelente capacidade técnica e de definição, sobretudo em espaços curtos.

Com muita qualidade na construção, é sobretudo no momento defensivo que o ex-camisola 33 do BVB Dortmund mais prospera. Mais uma vez, o bom conhecimento que aparenta ter do jogo facilita o seu posicionamento a fechar espaços. A nível posicional, Weigl é exímio tanto nas transições defensivas como no momento de defesa posicional. Dispõe de uma característica defensiva que muitos médios ou mesmo centrais não têm: a facilidade com que decide se deve optar pelo desarme ou realizar a contenção defensiva. O timing do alemão é quase sempre acertado.

Weigl tem sido, ao longo da sua carreira, um jogador de cariz mais defensivo, um trinco com uma excelente capacidade de construção, na linha de Busquets ou Jorginho. Contudo, já há algum tempo que o sistema de Bruno Lage tem passado pela utilização de dois médios mais equilibrados tanto ofensiva como defensivamente, Gabriel e Taarabt. Será interessante perceber se o treinador português irá alterar as dinâmicas da equipa em função de Weigl ou se será o alemão a adaptar o seu jogo às ideias da equipa.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários

Artigo anteriorJaneiro, o mês das decisões?
Próximo artigo“Não é do Sporting que tenho medo, é do Porto que tenho receio”
O Gonçalo é atualmente aluno da Escola Superior de Comunicação Social, onde persegue o seu sonho de ser jornalista. Descobriu a emoção do desporto quando assistiu, juntamente com o seu pai, ao clássico entre o Glasgow Rangers e o Celtic. A partir desse momento o desporto tornou-se uma parte fundamental da sua vida. Apaixonado pela prática desportiva, segue o futebol em geral e a NBA religiosamente. Tem dois clubes de coração o Benfica, e o Clube Atlético de Queluz clube da terra, no qual é atleta desde os 6 anos.                                                                                                                                                 O Gonçalo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.