A esperança não foi a última a morrer, e isto não acaba só quando a senhora gorda cantar. Uma reta final horrível, deixa-nos no limbo entre a Liga Milionária, e a Liga dos outros. Mas para muitos já foi o fim.

Perder com o Tondela foi perder o campeonato (que já parecia impossível). Mas mais que isso, perder com o Tondela significa que o nosso próximo jogo, com o rival da segunda circular, é o jogo que define se saímos daqui com dignidade, de cabeça levantada, e com possibilidade de fazer uns trocos a mais na próxima época.

Ora ir a Alvalade jogar um jogo que nos curará (mas pouco) a mágoa que foi não ter conquistado o penta, faz-me lembrar um pouco aquela expressão que nós estávamos muito acostumados a mandar para o ar, para o nosso amigo sportinguista: “ O teu campeonato é ganhar na Luz”.

O nosso próximo jogo, com o rival da segunda circular, define se saímos daqui com dignidade Fonte: SL Benfica

Neste caso o nosso campeonato será, depois de dois míseros desaires, este jogo, uma vez que põe em causa tudo o que será a nova época. Isto de ter que fazer contas para ir à Europa faz-me sentir o menino pobre que não pode ter as coisas que os meninos ricos podem.

Afinal depois de quatro anos em que esbanjávamos e tomávamos por garantida a Liga dos Campeões, o campeonato, e uma ou outra taça, imaginem como seria, perder numa semana os dois mais importantes.

Anúncio Publicitário

Esta época seria quase como acordar depois de um fim de semana em Las Vegas e perceber que todo o nosso dinheiro foi à vida. Não temos carteira, não temos bilhetes de volta, temos a roupa com que desmaiámos e não sabemos dos nossos amigos.  Digo quase porque nunca tive a sorte de passar por isso, mas imagino que seja muito assim. Só nunca pensei que a empregada que nos encontra no chão do quarto de hotel, e nos faz realizar que perdemos tudo, neste caso, fosse o próprio Benfica.

Not cool.

Foto de Capa: CD Tondela

Artigo anteriorEsboço do plantel 2018/19
Próximo artigoAS Roma 4-2 Liverpool FC: Reds rumam a Kiev
O Alexandro acredita piamente que se existe um Deus a melhor obra dele é, sem dúvida, o futebol. Saído de uma família benfiquista ferrenha, a escolha acabou por ser óbvia. Divide a paixão que têm pelos encarnados, com a paixão e o sonho de ver o Académico de Viseu de volta à primeira. A escrita é algo que sempre esteve presente no seu percurso, sendo que em todos os seus textos tenta incluir o humor que lhe é tão característico. Nascido e criado em Viseu, decidiu há 5 anos rumar a Lisboa para poder estar mais próximo da Luz, ou como os pais lhe chamam, estudar.                                                                                                                                                 O Francisco não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.