Anterior1 de 4Próximo


Sim, é verdade. O SL Benfica, último classificado do Grupo G, venceu mesmo o Olympique Lyonnais, segundo classificado, na terceira jornada da Liga dos Campeões. E foi a primeira vitória dos encarnados, esta época, em jogos a contar para a liga milionária. Nem sempre foi vitória à vista, mas o que é certo é que Anthony Lopes deu de bandeja os três pontos ao Benfica num lance nada feliz.

O jogo começou algo estranho com as duas equipas a estudarem-se a meio campo e ainda pouco perigo tinha havido em ambas as balizas. Porém, é sempre bom um golo na partida, e madrugador? Ainda melhor! E foi isso que aconteceu ao Benfica.

Aos quatro minutos, Seferovic começou a construir jogo e com um bom trabalho no lado esquerdo do ataque, encontrou Rafa, que tentou tabelar com Gedson, mas com grande atrapalhação. Depois foi a vez de Cervi entrar bem no lance, ganhar a bola e com um toque subtil foi o suficiente para chegar a Rafa. O português recebeu a bola e num remate de raiva fez o primeiro golo encarnado na partida, e o seu primeiro na Champions. Estava aberto o marcador no Estádio da Luz e que bom começo para a equipa portuguesa!

Rafa marcou o golo inaugural da partida e acabou por sair lesionado… Mas foi importante o seu contributo
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Se as coisas tinham começado muito bem para o Benfica, logo houve um percalço. Rafa Silva lesionou-se e acabou por ter de sair do terreno de jogo com muitas queixas. Um problema para Bruno Lage, que via assim um dos melhores jogadores a sair… Para substituir o extremo português entrou Pizzi.

Uma má saída do Benfica, aos 27 minutos, e a bola acabou por sobrar para os franceses numa zona muito subida do terreno. Cornet apareceu nas costas da defesa encarnada e só teve olhos para a baliza, mas havia uma muralha espanhola para travar as intenções do francês. Grimaldo esticou-se todo e, com um grande corte, não permitiu que o esférico chegasse sequer à baliza – muito bem o espanhol.

Uma primeira parte muito boa por parte da equipa portuguesa algo que já não se via há imenso tempo para os lados da Luz. Os encarnados estavam a jogar bem a meio campo e estavam a apostar em passes simples, bem como a passes longos, a virar o jogo de uma forma rápida e também ela simples. Só faltava uma coisa para que estivesse tudo bem: a finalização. Já do lado francês, o seu meio campo estava desorganizado e não havia ligação entre a defesa e o ataque, tornando assim difícil a construção de jogo.

Até ao final do primeiro tempo não houve mais nada a registar quanto a oportunidades de perigo em ambas as balizas. O Benfica foi, pela primeira vez nesta Champions, a vencer para o intervalo e via-se, finalmente, nos relvados da Luz, uma exibição digna da competição onde estão os melhores dos melhores.

O Olympique Lyonnais voltou dos balneários mais atrevido com duas arrancadas pelo flanco esquerdo, mas, ainda assim, não conseguiu levar a melhor no último terço. Outra das lacunas que se verificou na equipa de Rudi Garcia foi a lentidão nas construções das jogadas. Os franceses não estavam a conseguir impor velocidade no jogo e isso facilitava, e muito, a tarefa defensiva dos encarnados. Ainda assim, o Lyon apresentava-se, neste segundo tempo, melhor na recuperação de bola.

Aos 64′, Cornet percorre todo o flanco direito passando por Ferro e cria uma grande oportunidade para a sua equipa. Talvez a melhor até aí. Depois do remate do número 27, a bola foi parar à trave. Muito perigo para a baliza do Benfica, mas, felizmente, foi falso alarme.

No entanto, ao que parece, o alarme voltou a tocar perto da baliza encarnada e, desta vez, o golo aconteceu mesmo… Aos 70 minutos de jogo, Memphis Depay repôs a igualdade no marcador depois de ter sido “servido” com um excelente cruzamento do lateral direito – Dubois.

Depay restabeleceu a igualdade no marcador, mas só não contava com o erro do Anthony Lopes
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

Lembram-se de falarmos do meio-campo na primeira parte? Pois bem, o cenário manteve-se: havia demasiados espaços no centro do terreno e isso acabou por interferir na qualidade de jogo. Outra coisa que se manteve neste segundo tempo foi, sem dúvida, a agressividade na disputa dos lances. Muitas foram as paragens de jogo provocadas por faltas.

Aos 79′, Memphis volta a ameaçar. O 11 deixa Tomás de Tavares completamente desorientado, puxa para o pé direito para rematar, mas valeu ao Benfica Vlachodimos que, com uma palmada na bola, cede canto para a equipa adversária. O Benfica baixou completamente o seu rendimento, mas, por outro lado, não havia um Lyon a impor-se completamente.

Apesar disto, aos 85′, as águias voltam a ameaçar. Pizzi remata forte no corredor central, mas o esférico vai parar ao poste. Nem um minuto depois desse mesmo lance, Pizzi volta a ser protagonista: depois de uma má reposição por parte de Anthony Lopes, o médio aproveita e, de primeira, marca o segundo da noite para o Benfica. O clube da Luz estava outra vez em vantagem e fazia-se a festa nas bancadas por parte dos adeptos lisboetas.

Não houve muito para contar do resto do jogo e ficava então para a história a vitória da equipa de Lage. Foi um jogo com uma ótima primeira parte da equipa da casa e uma segunda não tão bem conseguida, mas que acabou por ser feliz e permitir ao Benfica regressar às vitórias na Champions.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

SL Benfica – Odisseass Vlachodimos (GR), Alex Grimaldo, Rúben Dias, Ferro, Tomás Tavares, Gabriel, Florentino, Gedson Fernandes, Cervi (Raúl de Tomás, 77′), Rafa Silva (Pizzi, 20′) e Seferovic (Carlos Vinícius, 59′)

Olympique Lyonnais – Anthony Lopes (GR), Dubois, Jason Denayer, Marcelo, Youssouf Koné, Martin Terrier (Thiago Mendes, 55′), Houssem Aouar (Reíne-Adélaide, 87′), Lucas Tousart, Maxwell Cornet (Bertrand Traoré ,66′), Memphis Depay e Moussa Dembelé

Anterior1 de 4Próximo

Comentários