André Carvalhas, uma pérola do antigo Seixal, agora em Viseu, que chegou a jogar na Luz diante de 25 mil pessoas… nos juniores. Sempre frontal e direto, é com rigor que afirma que Bruno Lage foi o seu melhor treinador e que este deveria ter tido mais apoio na sua saída do Benfica. Pelo caminho, ainda ficam as avaliações a dois reforços do FC Porto e umas palavras ao Rei das Subidas, Vítor Oliveira. Senhoras e senhores, abram alas que esta Bola de André Carvalhas vai com força para a Rede.

– A caminho de Viseu-

«Vim para um clube em que me sinto desejado, era isso que queria, estar em algum sítio onde sentisse que ia ter um papel importante na equipa»

BnR: Em primeiro lugar, parabéns pelo contrato assinado com o Académico de Viseu. É difícil mudares-te de clube e naturalmente de localização neste contexto de pandemia?

André Carvalhas: Obrigado. Não, acho que não faz grande diferença ser em contexto de pandemia, até porque, pelo que sei, Viseu é uma cidade super segura a esse nível, tem muito poucos casos, e a malta aqui está 90 por cento segura. Na minha zona, a Margem Sul, está mais complicado que aqui, mas nada de complicada a minha mudança para cá.

Anúncio Publicitário

BnR: O que te trouxe ao Académico e quais são os objetivos para a nova temporada, ainda para mais tendo tu saído da tua “casa”?

André Carvalhas: Toda a gente sabe que o Cova da Piedade era uma casa para mim, joguei lá quando era miúdo, antes de ir para o Benfica, nasci em Almada e tenho um carinho especial pelo clube, todos sabem. Senti que, nesta fase da minha carreira, deveria fazer algo mais, tinha de haver uma mudança para não estagnar, tinha de sair da minha zona de conforto, e felizmente vim para um clube em que me sinto desejado, era isso que queria, estar em algum sítio onde sentisse que ia ter um papel importante na equipa e o mister Boris e os dirigentes do Académico foram importantes, desde início mostraram grande vontade em contar comigo. Quando assim é, tudo fica mais facilitado, vim para cá e estou muito feliz com isso.

BnR: Ser uma escolha do treinador é sempre bom, não é?

André Carvalhas: Tenho ideia que sim. Quando vamos para um novo projeto, ou mesmo se ficasse na Cova da Piedade, sendo uma das escolhas do treinador, sai tudo mais facilitado e a motivação é logo outra.

BnR: Em Julho participaste no do estágio do jogador do sindicato de jogadores. O que te levou a participar, sendo tu um jogador com contrato?

André Carvalhas: Eu participei no intuito de melhorar os meus índices físicos. Vínhamos de uma paragem grande derivada da pandemia, tínhamos vindo para casa em março e treinávamos o que conseguíamos, ora em casa ora na tua, e eu sentia que tantos meses parados sem fazer o que gostamos, numa relva com profissionais a altura, eu sentia que precisava de algo mais. O Sindicato possui condições que muitos clubes não têm, profissionais qualificados para melhorar os nossos índices físicos, e foi nesse intuito que fui para lá, porque, qualquer que fosse o meu destino, não sabíamos muito bem o que ia acontecer, se íamos jogar ou não, queria chegar a algum sítio com bons índices físicos.