fc porto cabeçalho

Sou portista. O que me levou a tornar-me portista foram as vitórias. Não posso fazer um exercício de hipocrisia e afirmar que, como muitas vezes ouço dizer, me tornei adepto do FC Porto por quaisquer valores ou princípios que pudesse ver incutidos no clube. Tenho que ter a humildade de reconhecer que foram as conquistas o elemento diferenciador para que eu me tornasse um apaixonado pelo clube da minha cidade.

Para as pessoas da minha geração era fácil escolher ser portista. Representava a felicidade e comodidade de ganhar quase sempre. E para uma criança não há nada mais importante do que ser do clube que ganha. As influências familiares apontavam para a Académica de Coimbra e (com menos intensidade) para o Sporting CP mas cedo me afastei desses sopros porque, volto a dizer, a única coisa que me interessava era ganhar. Foi quase que uma racionalidade irracional que me fez optar por ser Dragão.

A minha aproximação ao clube não é, portanto, um conto de fadas ou uma história digna de um bestseller. No entanto, com o avançar da idade e a crescente consciencialização de que o futebol é muito mais do que ganhar ou perder, fui-me começando a identificar com os tais valores que outrora apenas ignorara. Foi como apaixonar-me outra vez, foi como, finalmente, encontrar a justificação aflorada para ser portista.

Jackson e James ajudaram na conquista do título, em 2012-2013  Fonte: FC Porto
Jackson e James ajudaram na conquista do título, em 2012-2013
Fonte: FC Porto

Era, de facto, um clube diferente. Percebi então porque ganhava mais vezes. O olhar de jogadores como Jorge Costa ou Bruno Alves, a genialidade de jogadores como Deco ou Hulk, mas acima de tudo, a atitude e rigor de todas as pessoas envolvidas no dia-a-dia do clube fizeram-me perceber, então, o porquê de o FC Porto ser um clube talhado para vitórias e, como tal, o porquê de ser portista.

Anúncio Publicitário

Mais tarde ainda, quando comecei a entender de forma mais consistente o fenómeno do futebol, os meandros da modalidade e a forma como as altas instituições reguladoras desempenham um papel decisivo no sucesso ou insucesso de uma equipa, foi quando definitivamente reconheci toda a competência de um clube e de uma estrutura que havia ganho tanto respeito como receio junto dos lugares decisores do nosso futebol e que, fruto de um trabalho exemplar, o FC Porto era um clube intocável. Assim se constrói um campeão.

Foto de Capa: FC Porto