O FC Porto recebe no final desta quarta-feira o Schalke 04 numa partida a contar para a 5ª, e possivelmente decisiva, jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões. O presente artigo destina-se, muito mais do que a uma pormenorizada antevisão do jogo, ao realçar da importância de assegurar o 1º lugar do grupo e os benefícios que daí podem advir.

Mas antes de lá chegar, olhemos para o jogo. Adivinhar o onze europeu do FC Porto é um exercício tão certo que só Otávio o poderá ludibriar. Isto porque, com Soares de fora, só a entrada do pequeno mago brasileiro no onze, de forma a premiar o seu altíssimo rendimento nos últimos jogos, poderá desfazer o onze que jogou com o Lokomotiv na passada jornada. Sérgio Conceição deve, portanto, apresentar o seguinte onze: Casillas; Maxi Pereira, Felipe, Éder Militão, Alex Telles; Danilo, Herrera, Óliver; Brahimi, Corona e Marega.

Quanto ao Schalke, são mais as dúvidas. Não querendo fazer um exercício de adivinhação sob pena de ser contrariado à hora do jogo, prefiro dizer que, independentemente do escalonamento inicial alemão, cabe ao FC Porto assumir as rédeas do jogo, partir para cima do adversário e controlar os diferentes momentos do jogo.

Ficou provado no jogo da 1ª jornada, que o FC Porto tem uma equipa perfeitamente capaz de bater o 14º classificado da Bundesliga e, sendo o jogo no Estádio do Dragão, o foco tem que estar na vitória, mesmo que um empate garanta, desde já, o apuramento para a próxima fase. Vitória que, a acontecer, diga-se, será fundamental para o clube a vários níveis.

Desportivamente falando, ficar em primeiro lugar nunca poderá ser considerada uma questão de pormenor. Como é sabido as equipas classificadas em 1º lugar de cada grupo defrontam, nos oitavos-de-final, os segundos classificados. Ora, se fizermos um rápido exercício de previsão, cruzando um jogo de probabilidades e as atuais posições das equipas obtemos o seguinte resultado:

1º Classificados: Borussia Dortmund, FC Barcelona, Liverpool FC, Bayern Munique, Manchester City, Real Madrid e Juventus;
2º Classificados: Atlético Madrid, Inter Milão, PSG, Ajax, Lyon, AS Roma e Manchester United.
(Nota: No grupo C são altamente imprevisíveis as posições finais, com Liverpool, Nápoles e PSG a lutarem pelos lugares de apuramento.)

Otávio tem estado em bom plano e será a principal dúvida na cabeça de Sérgio Conceição para o embate contra o Schalke 04
Fonte: FC Porto

Ora, mesmo sendo certo que, uma vez ultrapassada a fase de grupos, deixam de existir oponentes acessíveis, não é preciso ser um profundo conhecedor do fenómeno do futebol para perceber que, ficando no 1º lugar do seu grupo, as probabilidades de o FC Porto poder, eventualmente, atingir os quartos-de-final aumentam exponencialmente. A juntar a tudo isto, importa ressalvar que os primeiros classificados beneficiam, ainda, de jogar a segunda mão, e desta forma decidir a eliminatória, na sua casa.

Estas seriam razões de sobra para conferir ao jogo de 4ª feira o estatuto de vital, no entanto, os benefícios não se ficam por aqui. Como é sabido, em todas as competições, mas principalmente na Liga dos Campeões, o sucesso desportivo anda sempre de braço dado com a bonança financeira. No caso do FC Porto, dada a sua débil situação de tesouraria, esta problemática ganha maior relevância.

Só a hipotética vitória frente ao Schalke 04 permitirá um encaixe de 2,7M€, o triplo do que garante um empate. Depois, o aumento da probabilidade de entrada nos quartos de final permite, logicamente, o incremento da probabilidade de acesso ao prize money associado a essa fase da prova. Para além disso, para fechar o capítulo financeiro, uma perspetiva de vida mais longa na Liga dos Campeões permite ter os jogadores do plantel mais tempo na montra mais cintilante do futebol mundial, e como tal, abre-se a possibilidade à valorização dos seus passes, sabendo-se bem da dependência dos clubes portugueses em relação às receitas provenientes de transações jogadores.

Menos decisivas, mas também importantes, são questões como a história, a reputação ou o ranking de clubes e países. Quanto melhor a campanha do FC Porto mais pontos serão amealhados para o clube e para o país, trazendo benefícios claros a longo prazo. A questão histórica prende-se com o facto de o FC Porto apenas por 4 vezes ter conseguido alcançar o feito de se qualificar em primeiro no seu grupo e este seria, também, um penta muito bem-vindo para o reino do Dragão.

É importante, ainda assim, afastar a soberba inerente ao facto de se estar a discutir a importância do primeiro lugar sem antes garantir o apuramento. Lembrar a época de 2014/2015, na qual o FC Porto acabou eliminado da prova em idêntico cenário (10 pontos à 4ª jornada), sendo batido pelo Dínamo de Kiev e o Chelsea FC, pode e deve servir de alerta para os jogadores, equipa técnica e adeptos.

Em suma, antes de pensar no primeiro lugar, importa garantir o apuramento. No entanto, sendo certo que uma vitória garante ambos e que o jogo será disputado no Estádio do Dragão, é fundamental que Sérgio Conceição e os seus pupilos tudo façam para manter os três pontos na Cidade Invicta. Não há volta a dar, é ganhar ou vencer!

Foto de Capa: FC Porto

Artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários

Artigo anteriorFC Bayern München 5-1 SL Benfica: A noite do adeus!
Próximo artigoSeis semanas de NBA: o que há a dizer? – Conferência Este
Fervoroso adepto do futebol que é, desde o berço, a sua grande paixão. Seja no ecrã de um computador a jogar Football Manager, num sintético a jogar com amigos ou, outrora, como praticante federado ou nos fins-de-semana passados no sofá a ver a Sporttv, anda sempre de braço dado com o desporto rei. Adepto e sócio do FC Porto e presença assídua no Estádio do Dragão. Lá fora sofre, desde tenra idade, pelo FC Barcelona. Guarda, ainda, um carinho muito especial pela Académica de Coimbra, clube do seu pai e da sua terra natal. De entre outros gostos destacam-se o fantástico campeonato norte-americano de basquetebol (NBA) e o circuito mundial de ténis, desporto do qual chegou, também, a ser praticante.                                                                                                                                                 O Bernardo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.