Em novembro de 2016 a extensão do contrato que o ligava ao FC Porto passou a ser uma realidade e, então, o pequeno Otávio comprometeu-se com o clube até junho de 2021. A cláusula de rescisão é das mais altas do plantel e só comparável à de Danilo: 60 milhões. Estes dados mostram bem os planos e a esperança que o FC Porto deposita no atual número 25 dos azuis e brancos.

Adquirido em 2014, o primeiro ano serviu para uma adaptação à nova realidade com a inclusão na equipa B dos dragões, onde desde logo haveria de assumir um papel de destaque. O passo seguinte foi dado com os habituais empréstimos, dos quais se destaca a temporada muito interessante que acabou por ter em Guimarães, em 2015/16. De resto, essa boa campanha nos vimaranenses levou a que se fixasse no plantel principal doa dragões na época seguinte, então com Nuno Espírito Santo no comando.

Um começo auspicioso haveria, contudo, de ser sol de pouca dura, já que Otávio não conseguiu dar o melhor seguimento aos golos e assistências com que tinha iniciado a época. No ano seguinte, com a chegada de Conceição, Otávio viu-se obrigado a uma reformulação no estilo de jogo. A qualidade que exibia no pé direito não era suficiente para ganhar um lugar no plantel e, como tal, deu-se início a um processo de readaptação à realidade, à imagem do que se vai vendo atualmente com Óliver Torres.

Otávio tem contrato com o FC Porto até 2021
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Pois bem, com algumas lesões pelo meio a travagem a progressão do médio ofensivo de 24 anos, a verdade é que Otávio parece ter estagnado a determinado momento da época passada. Isso, contudo, não o impediu de voltar a merecer a confiança de Conceição para a presente temporada e assim, na versão 4.0 de Otávio, o brasileiro parece, enfim, ter atingido o ponto máximo de maturação e importância na dinâmica da equipa, ao ponto de ser hoje um elemento imprescindível.

Os números não enganam e contam que está é sem dúvida a melhor e mais produtiva época de Otávio no FC Porto. São já 36 jogos realizados em todas as competições, nos quais apontou seis golos e ofereceu o remate vitorioso aos colegas em oito ocasiões. Nem mesmo uma lesão algo prolongada no final do ano passado lhe travou a embalagem e, neste momento, imagine-se, é Brahimi quem correr para recuperar o lugar que, inquestionavelmente, pertence a Otávio.

Artigo revisto por: Jorge Neves

Comentários