A12

Dentro do carro, saído de Alvalade há dez minutos, tento exprimir por palavras o que me vai no coração. Ainda com arrepios provocados pelo ambiente sentido dentro e fora do estádio, tento tirar da cabeça os cânticos entoados durante cerca de duas horas.

Mas porquê esquecer que “TU VAIS VENCER, PORQUE A NOSSA FORÇA É BRUTAL”, quando foi ao som deste inesquecível hino que chegámos ao terceiro golo? E que golo! Naquele minuto 71, assistiu-se a uma verdadeira competição de hinos. Dentro do campo, uma homenagem ao futebol. Nas bancadas, uma real demonstração de apoio e dedicação por parte de adeptos que há muito mereciam esta retribuição.

“Só eu sei porque não fico em casa” nunca fez tanto sentido. E é com todo o estádio a cantar a mais famosa lírica de apoio ao grande Sporting que Adrien faz o quarto golo.

Confesso ter tirado o olhar do campo durante um par de minutos. O verdadeiro espectáculo acontecia nas bancadas. Finalmente as claques organizadas e os outros 30 mil adeptos estavam em sintonia. Viveu-se uma harmonia de elevados decibéis entre a Curva Sul e as restantes bancadas. Dei por mim concentrado numa rapariga, na bancada central, erguendo o seu cachecol e entoando todos os cânticos de frente para as claques. Alvalade virou finalmente casa de família. Da família sportinguista que há tanto ansiava por este momento.

Juventude Leonina / Fonte: panoramio.com
Juventude Leonina / Fonte: panoramio.com

Hoje não deve ter havido um único adepto que não se tenha sentido em casa no covil do leão. Leão esse que acabou o jogo cuspindo fogo pela boca, empurrado pelos rugidos impossíveis de ignorar a seu redor.

O Sporting está de volta, a massa associativa está mais fiel do que nunca e apetece-me sorrir. Recomendo a todo e qualquer sportinguista assistir a um jogo no estádio. Vencendo, ou não, sairão de lá contentes. Orgulhosos de pertencerem a esta família, radiantes por possuírem algo que nos distingue dos demais adeptos.

“Isto é o Sporting” e “nós acreditamos em vocês”. Finalmente sente-se verdade nas palavras ecoadas em nossa casa. Com os pés assentes na terra mas uma vontade e esperança sem limites, os últimos dez minutos foram jogados já no Dragão. Sabemos que não será fácil e que a deslocação ao norte não é barata. Ainda assim gritou-se “E vamos todos ao Dragão” a uma só voz. E eu vou. Porque ser do Sporting é superar desafio atrás de desafio e continuar a sonhar. E o sonho não tem preço, é impagável. É a nossa força brutal!

Comentários

Artigo anteriorFutebol fora de portas
Próximo artigoFinal de um ciclo?
O Fábio odeia ser incomodado quando está a ver jogos do Sporting. Não suporta o FC Porto nem os benfiquistas. Vive no sector A12 em Alvalade.                                                                                                                                                 O Fábio não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.