Anterior1 de 2Próximo

sporting cp cabeçalho 1Todas as épocas desportivas têm uma “equipa sensação”, uma formação que acaba por superar as expetativas dos críticos e que aparece nos lugares cimeiros da tabela classificativa. É certo, também, que essas “equipas sensação” requerem que a temporada já vá longa para que se afirmem como tal. Não há, por isso, “equipas sensação” em inícios de época. O estatuto de sensacionalidade ou revelação requer que as equipas atravessem algumas intempéries e, principalmente, que passem (com pontos) nos confrontos com os três grandes, adquirindo o prestigio de “tomba gigantes”.

O próximo adversário do Sporting para a Liga NOS é o Clube Desportivo Feirense. Não é ainda, pelas razões que acabei de enumerar, uma “equipa sensação” deste campeonato, ainda que possa vir a sê-lo. Façamos um breve raio X a esta equipa nortenha e foquemos alguns aspetos desse exame de diagnóstico à equipa fogaceira:

Posição na Liga: Ocupa atualmente o sexto lugar da tabela classificativa, com oito pontos, permanecendo sem qualquer derrota até à presente jornada: de um total de quatro jogos disputados, a equipa de Santa Maria da Feira regista dois empates (ambos nas duas primeiras jornadas, contra o Tondela e o Moreirense, respetivamente) e duas vitórias (a primeira em casa frente ao Paços de Ferreira, e a última no recinto do Desportivo de Chaves).

Nuno Manta Santos assumiu, durante a época passada,  comando técnico da equipa Fonte: CD Feirense
Nuno Manta Santos assumiu, durante a época passada, o comando técnico da equipa
Fonte: CD Feirense

Treinador: Nuno Manta Santos. Natural de Santa Maria da Feira, trabalhou sempre no clube local, desde os escalões de formação até chegar à equipa principal, que orienta agora. Conhece os cantos à casa e isso, certamente, não é de desvalorizar, face às recentes prestações da equipa que coordena. Manta Santos parece ser um treinador bastante pragmático: não inventa e aproveita o que tem dentro de portas.

Sistema/Filosofia de Jogo: Do ponto de vista do sistema tático, há variações de um sistema de 4x3x3 para um 4x2x3x1, consoante os momentos e as fases do jogo. A muralha defensiva do Feirense impede a equipa adversária de optar por um futebol criativo ou de construção. O reduzido espaço entre linhas que coloca faz com os jogadores adversários mais criativos tenham dificuldades em inserir-se no jogo.

Anúncio Publicitário

A avaliar por aquilo que a equipa do Feirense fez nas últimas jornadas, a equipa de Manta Santos parece privilegiar um estilo de jogo que não assenta, nem na circulação, nem na posse de bola. Procura um futebol de contra-ataque, aproveitando as falhas das equipas adversárias para lançar a velocidade de alguns dos seus jogadores. O último jogo contra o Desportivo de Chaves foi bastante elucidativo disto que acabo de afirmar: a equipa teve menos remates e menos posse de bola do que os flavienses e, no entanto, ganhou por duas bolas a zero, em terras transmontanas.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários

Artigo anteriorCarta Aberta a Luís Felipe Vieira
Próximo artigoUma modalidade em claro crescimento
O Simão é psicólogo de profissão mas isso para aqui não importa nada. O que interessa é que vibra com as vitórias do Sporting Clube de Portugal e sofre perante as derrotas do seu clube. É um Sportinguista do Norte, mais concretamente da Maia, terra que o viu nascer e na qual habita. Considera que os clubes desportivos não estão nos estádios nem nos pavilhões, mas no palpitar frenético do coração dos adeptos e sócios.                                                                                                                                                 O Simão escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.