Anterior1 de 2Próximo

O filme de Stanley Kubrick 2001: Odisseia no Espaço data de 1968 e ainda hoje é um marco na história do cinema, principalmente para os amantes de ficção científica. 33 anos separam a Odisseia de David Bowman e Frank Poole da Odisseia de Jaime Pacheco e dos seus pupilos: contra todas as expetativas, o Boavista FC quebrou a ‘ditadura’ dos três grandes e sagrou-se campeão nacional na época 2000/2001. 55 anos depois, Portugal voltava a coroar um campeão que não era o SL Benfica, o FC Porto ou o Sporting CP. Tal facto é bom demais, tão bom que até poderia ser ficção científica. Mas não. Foi real e ainda perdura na memória de todos. Tal como o filme de Stanley Kubrik.

O início da Odisseia

A corrida ao título de 2000/2001 começa com um Sporting na pole position, ou não fosse o campeão em título, tendo acabado com um jejum de 18 longos anos na época anterior. A juntar a isto, a chegada de João Vieira Pinto diretamente do outro lado da Segunda Circular fazia sonhar os adeptos leoninos. Benfica e Porto partiam mais atrás nesta corrida, tendo ambos perdido no defeso a sua principal referência (no Porto, Mário Jardel fez as malas e rumou à Turquia).

O Boavista, longe de sentir a pressão de um dos três grandes, começa o campeonato de forma tranquila, com duas goleadas que deixam água na boca aos adeptos axadrezados. Segue-se um empate algo inesperado com o Estrela da Amadora, ao qual se seguiu a primeira derrota da época, frente ao Sporting de Braga, para o campeonato. Daí para a frente, os comandados de Jaime Pacheco embarcam numa série de 16 jogos sem conhecer o sabor da derrota, começando com uma vitória na quinta jornada sobre o Benfica de José Mourinho (23 de Setembro), e só terminando no dia 17 de fevereiro, com uma derrota em Braga por 1-0.

Quase cinco meses sem perder para o campeonato permitiram ao Boavista ascender ao primeiro lugar da tabela, ultrapassando o Porto, após uma vitória sobre os dragões no último jogo da primeira volta. Na jornada seguinte, os azuis e brancos perdem na Luz com o Benfica e o Boavista aproveitou para se distanciar ainda mais no primeiro lugar.

Ano após ano, 18 de maio de 2001 é lembrado como ‘o dia’ do Boavista
Fonte: Boavista FC

A segunda volta da Odisseia

À semelhança do filme de Stanley Kubrik, em que o uso de diálogo foi mínimo, o Boavistão, mais do que de palavras ou argumentação forte, era visto como uma equipa de ação, muito trabalhadora, aguerrida e com um forte sentido de entreajuda. Mais do que palavras e previsões, jornada após jornada, a equipa de Jaime Pacheco ia mostrando dentro de campo os argumentos que lhe permitiam intrometer-se entre os três grandes na luta pelo título.

Até ao fim do campeonato, o Boavista faz uma segunda volta quase imaculável, apenas perdendo com Braga e Porto, este na última jornada, já com o título (bem) entregue. No sprint final, a Pantera empata na Luz, quando o Benfica ainda tentava o assalto à liderança, aproveita o empate entre Porto e Sporting na 25.ª jornada para ganhar distância e ainda dá a ‘estocada’ final nos leões com uma vitória incontestável na 29.ª jornada.

A 18 de maio de 2001, na penúltima jornada, o Boavista faz xeque-mate aos adversários e sagra-se campeão nacional, tornando-se na quinta equipa a fazê-lo em Portugal. Uma vitória por 3-0 sobre o Desportivo das Aves, no Bessa, selou a conquista do título, pela primeira vez na história do clube.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários