Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho modalidadesEstá a terminar a primeira fase do Campeonato Mundial de Andebol de 2017 em França. Os quatro primeiros classificados de cada um dos quatro grupos irão passar à fase seguinte (já a eliminar). Os penúltimos e os últimos irão jogar ainda para definir entre o 17º-20º lugares e o 21º-24º lugares (respetivamente). Vou agora analisar o que se passou em cada um dos grupos:

Grupo A:

O primeiro classificado do Grupo A não surpreende ninguém. A equipa Francesa cumpriu as expetativas, tendo vencido os cinco jogos do grupo. A vitória mais folgada foi a primeira, com o Brasil (31-16). O melhor marcador dos Les Bleus foi o central do Flensburg Kentin Mahe com 19 golos em cinco jogos. Titi Omeyer fez 42 defesas, mas o companheiro Vicent Gerrard teve uma melhor eficácia (41%). O principal jogador da equipa francesa, Nikola Karabatic, fez 15 golos em cinco jogos.

Logo a seguir temos a Noruega. Não sendo uma equipa de primeira linha, fez uma grande fase de grupos, tendo apenas perdido com a França. Pode considerar-se a segunda principal surpresa do grupo. O seu melhor marcador foi o ponta direito Kristian Bjornsen, dos alemães do HSG Wetzlar (onde joga o português João Ferraz), com 27 golos em cinco jogos. Torbjorn Bergerud fez 38 defesas. O seu jogador chave, Sander Sagosen, foi decisivo, sendo o segundo melhor marcador, com 26 golos em cinco jogos.

Em terceiro lugar temos a Rússia que cumpre o seu principal objetivo, mas sem convencer… O ponta direita do Chekhovskie Medvedi (Rússia), Dmitry Kovalev, foi o melhor marcador, tendo marcado 21 golos em 5 jogos. Ambos os guarda redes tiveram 31% de eficácia, tendo Victor Kireev feito 35 defesas. A “estrela” da Rússia, Timur Dibirov, desiludiu tendo marcado apenas 8 golos em 5 jogos.

A equipa da casa fez o pleno no Grupo A! Fonte: Equipes de France de Handball
A equipa da casa fez o pleno no Grupo A!
Fonte: Equipes de France de Handball

O último apurado pode ser considerado a surpresa principal até ao momento. O Brasil já não tem nada a perder, visto que o facto de ter conseguido a passagem à próxima fase num grupo complicado como este é um grande resultado, que demonstra a grande evolução do Andebol na terra do Samba. Jose Guilherme Toledo (lateral direito companheiro de Tiago Rocha e Gilberto Duarte na equipa polaca do Orlen Wisla Plock) foi decisivo, tendo feito 26 golos em 5 jogos. Maik Santos fez 44 defesas. Poderemos ter nesta seleção a grande sensação da competição!

A Polónia foi a grande deceção. Esperava-se muito mais da equipa comandada pelo famoso Talent Dujshebaev, que se esperava que pelo menos no terceiro lugar ficasse. O Japão pouco pôde fazer, mas deixou alguns bons apontamentos, deixando os adeptos do Andebol com “água na boca” para o que poderá surgir por parte dos nipónicos.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários