Quando no dia 15 de Agosto de 2016, Shaunae Miller-Uibo caía para a vitória sobre a meta, relegando Allyson Felix para o segundo lugar na final dos 400 metros dos Jogos Olímpicos do Rio, poucos terão pensado que essa poderia ter sido a última oportunidade para mais um Ouro global da atleta norte-americana, a mais condecorada atleta da história do Atletismo.

No entanto, depois de um 2017 em que falhou a revalidação do título mundial e de um 2018 praticamente inexistente, muitas são as interrogações que se levantam acerca de que Allyson Felix iremos ter naquele que será o último ciclo de eventos globais da carreira. À sua própria forma, soma-se o crescimento para outros patamares de atletas como Shaunae Miller ou Salwa Eid Naser. Mas, mesmo a nível interno, a missão de Felix não parece nada fácil e, quando nos encontramos a cerca de um ano do início dos Mundiais de Doha, a sua presença nesse evento acarreta muitas dúvidas e interrogações.