Sem mais demoras, a Diamond League avança já para Xangai com alguns novos nomes em cima da mesa, mas também com alguns duelos que já tiveram o primeiro round em Doha. Destacamos cinco provas no masculino e cinco provas no feminino que podem concentrar as atenções!

Masculino

100 Metros: Christian Coleman (USA) seria um dos nomes em destaque neste meeting, mas o atleta viu-se obrigado a desistir do mesmo devido a algumas limitações físicas. Mas nem por isso esta prova perdeu o interesse. Em pista, teremos a encabeçar (embora a IAAF nunca lhe dê qualquer destaque nas suas publicações…) o campeão mundial, Justin Gatlin (USA). Gatlin é um dos atletas que mais paixões e ódios desperta no circuito e na China viveu nos Mundiais de 2015 uma das maiores desilusões da sua carreira quando perdeu o Ouro para Usain Bolt numa prova em que era apontado como o favorito. Vingou-se em Londres e bateu o astro jamaicano na última competição do mesmo.

Anúncio Publicitário

Aqui irá encontrar a companhia de um Andre De Grasse (CAN) claramente a tentar ainda encontrar a sua melhor forma depois da paragem prolongada e que não deverá ser uma ameaça para Gatlin. Quem poderá ser uma ameaça é o atleta da casa Su Bingtian (CHI). Com um recorde abaixo dos dez segundos, Bingtian marcou presença na final de Londres embora tenha ficado no oitavo posto. Este ano, começou a época numa forma fantástica e a temporada indoor resultou em recordes pessoais, nacionais e numa medalha de Prata nos Mundiais. Veremos o que fará aqui nos 100 metros ao ar livre. Outro nome que poderá ameaçar o norte-americano é o inglês CJ Ujah (GBR) que, se recorde, é o atual vencedor da Diamond League tendo corrido em Zurique em 9.97 nessa final do ano passado. Também com um recorde abaixo dos dez segundos, estará em pista Ramil Guliyev (TUR), ele que é o campeão mundial dos 200 metros.

400 Metros: Parece ser um dos elencos com mais estrelas do evento e promete emoção, bons resultados e surpresas. Para começar, teremos aqui os três atletas que ficaram nas três primeiras posições em Doha uma semana antes. Steven Gardiner (BAH) dominou por inteiro a prova e, com os seus 43.87, bateu o recorde do meeting e o recorde nacional da Bahamas! Estará aqui para tentar repetir o feito de forma a conseguir a qualificação para as finais o mais rápido possível. Abdalleleh Haroun (QAT) e Isaac Makwala (BOT) repetem aqui a presença, com a certeza de que principalmente para o atleta do Botswana o que se passou em Doha foi uma desagradável surpresa, depois de chegar a esse meeting como o líder mundial do ano. Mas atenção, porque em pista teremos uma das maiores promessas norte-americanas e mundiais nos 400 metros: Fred Kerley! Kerley tem um recorde pessoal de 43.70 (!) e foi o campeão norte-americano na temporada passada. Depois disso, uma série de más decisões fizeram-no falhar em momentos-chaves, mas o jovem atleta quer mostrar que está também talhado para grandes palcos. Um que está com certeza talhado para grandes palcos, embora para outra disciplina, é Christian Taylor (USA). Sim, ele mesmo! O campeão mundial e olímpico do Triplo Salto aposta numa temporada mista entre Triplo e 400, de forma a aumentar a sua velocidade para o Triplo e para se “divertir” um pouco na volta à pista. Veremos o que será capaz de fazer aqui junto de alguns nomes grandes da distância.

110 Metros Com Barreiras: A curiosidade de vermos Omar McLeod (JAM) nos 200 foi adiada depois de uma pequena dor no abdutor antes da prova de Doha, mas tal não deverá ser impeditivo de vermos o jamaicano na distância em que é especialista, sendo o atual campeão olímpico e mundial. Enfrentará um elenco de peso, mas isso não é nada que assuste o jamaicano, habituado a isso e a bater todos eles. A maior ameaça poderá ser o atleta russo, ex-campeão mundial e Prata em Londres, Sergey Shubenkov, que foi o vencedor do troféu de Diamante na temporada passada. Ainda não vimos nenhuma marca abaixo dos 13.16 nesta temporada, mas ambos os atletas ainda não competiram, portanto será de prever que esta prova traga uma nova liderança mundial. Quem também competirá em Xangai é o recordista mundial, Aries Merritt. Após o transplante de rim, o atleta norte-americano não conseguiu ainda atingir o nível de outrora e não sabendo se algum dia o atingirá, é já uma vitória continuar a competir a tão alto nível, sendo competitivo. É sempre uma ameaça, embora pareça ter começado a época de forma lenta (13.45). Em pista, também estará o recém-consagrado vencedor dos Jogos da Commonwealth, Ronald Levy (JAM) que foi também o terceiro homem mais rápido da temporada passada e Orlando Ortega (ESP), o medalhado de Prata dos Jogos Olímpicos do Rio, depois de uma época mais lenta em 2017.