Sporting CP | O 11 do futuro

    Ataque – Pote / Slimani, Paulinho e Edwards

    Sporting
    Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

    Pode não ser o melhor jogador argelino de sempre, mas o melhor marcador de sempre do seu país é. E é de golos que o futebol vive, e é dos golos, sobretudo aos maiores rivais, que Slimani marcou, que os sportinguistas recordam a sua primeira passagem com tanto carinho. Mas não só. Chegou por 300 mil, saiu por 30 milhões. Se não tivesse corrido o que correu, lutado o que lutou, muito provavelmente não seria tão amado.

    A idade pode não lhe permitir ser titular na maioria dos jogos, mas com Slimani como homem de área, Paulinho parece sentir-se mais confortável. A responsabilidade de marcar dissipa-se e os golos acabam por aparecer naturalmente. Mais liberto é mais útil e mais oferece à equipa. Complementam-se, e por isso diria que são uma dupla de sucesso.

    Pedro Gonçalves tem tido uma época conturbada, mas os sportinguistas esperam que a próxima temporada volte a marcar como fez na época de estreia. Pote já valorizou e já desvalorizou. Uma primeira época arrebatadora. A segunda tem sido mais tímida. Acredito que por isso ficará mais um ano, pelo menos.

    Com a muito provável saída de Sarabia, Marcus Edwards é o nome para colmatar o espaço que o espanhol deixará. O experiente e talentoso avançado emprestado pelo Paris Saint-Germain FC veio para Portugal para relançar a carreira. Já proporcionou momentos felizes ao Sporting e aos sportinguistas, momentos esses que certamente também o feliz fizeram e que sem dúvida o irão catapultar para outros destinos, caso assim deseje.

    - Advertisement -

    Subscreve!

    PUB

    spot_img

    Artigos Populares

    Rute Costa renova com o Benfica até 2027

    O Benfica anunciou a renovação do contrato com Rute...

    Helton Leite: «Abel Ferreira destruiu o Benfica»

    Helton Leite falou sobre a atualidade e garantiu que...
    Miguel Amaral Rodrigues
    Miguel Amaral Rodrigueshttp://www.bolanarede.pt
    Desde que se lembra que o Miguel joga à bola. Sentiu sempre uma ligação com a redondinha. Com 7 anos de idade começou a ir a Alvalade e desde então é raro falhar um jogo. Aos 13 iniciou a sua carreira no futebol federado. E para sua tristeza, há cerca de dois anos pendurou as botas. Mas não largou a maior paixão que tem na vida. Estuda jornalismo na ESCS e é por intermédio da comunicação que quer acompanhar o futebol daqui para a frente.