logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

5 jogadores que tiveram uma segunda oportunidade

Ao longo das várias edições que se foram realizando da Primeira Liga Portuguesa, muitos casos tivemos de jogadores que se destacaram ao serviço de clubes ditos “pequenos”, ou seja, que normalmente não lutam por títulos e que têm uma expressão de adeptos e mediática inferior a SL Benfica, FC Porto e Sporting CP.

Precisamente por terem este destaque – muitas vezes até em jogos onde as suas equipas não eram favoritas – despertaram o interesse não só dos “três” com mais poder económico e desportivo, mas também de clubes estrangeiros que não se importaram de bater as cláusulas e levá-los para os seus projetos.

Sem prejuízo para as suas qualidades, a verdade é que alguns deles nunca demonstraram no clube “grande” a qualidade que evidenciaram no habitat onde conseguiram atrair a sua cobiça. Por exemplo, o Rio Ave FC tem sido, ao longo do tempo, um clube onde alguns destes jogadores vêm para “ressuscitar” as suas carreiras ou para lançar as mesmas. Diego Lopes, Krovinovic, Kieszek, Ruben Semedo, Gelson Dala ou Galeno são alguns dos nomes, mas há mais.

Então, quais poderão ser as razões para o insucesso dos jogadores? Pressão acrescida? Não se esforçaram o suficiente? Falta de aposta por parte dos treinadores? Alteração tática para um modelo que não os favorece? Muitos fatores podem ser apontados, mas só podemos teorizar, não estamos lá a acompanhar os treinos. Aqui segue o “meu” top desta semana.

Com licenciatura e mestrado em Jornalismo, Comunicação e Cultura, o Carlos é natural de um distrito que, já há muitos anos, não tem clubes de futebol ao mais alto nível: Portalegre. Porém, essa particularidade não o impede de ser um “viciado” na modalidade, que no âmbito nacional, quer no âmbito internacional. Adepto incondicional do Sport Lisboa e Benfica desde que se lembra de gostar do “desporto-rei”.                                                                                                                                                 O Carlos escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Com licenciatura e mestrado em Jornalismo, Comunicação e Cultura, o Carlos é natural de um distrito que, já há muitos anos, não tem clubes de futebol ao mais alto nível: Portalegre. Porém, essa particularidade não o impede de ser um “viciado” na modalidade, que no âmbito nacional, quer no âmbito internacional. Adepto incondicional do Sport Lisboa e Benfica desde que se lembra de gostar do “desporto-rei”.                                                                                                                                                 O Carlos escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

FC PORTO vs CD TONDELA