3.

 Carlos Carvalhal (Rio Ave FC) – Muitos podiam pensar que estava a dar um passo atrás na carreira e que seria algo que o poderia fazer estagnar. Porém, o Rio Ave FC já nos habituou, nos últimos anos, a equipas competitivas, que jogam um bom futebol – olhos-nos-olhos dos adversários – e, claro, a treinadores muito competentes. Carlos Carvalhal vem precisamente nessa linha e tem feito um excelente trabalho. Na minha opinião, está a valorizar-se bastante para um regresso a outros “campeonatos”.

Não há grande dúvida de que, quando olhamos para os vila-condenses, há ali dedo de treinador, sempre com uma pressão alta ao adversário, seja ele qual for. Aliás, um bom exemplo disso mesmo foi a atitude da equipa no Estádio do Dragão. Aí, conseguiu um empate, apesar de ter capacidades para ter levado mais do que isso para sua casa. Gosto sobretudo da forma como se preocupa com o processo defensivo, sem nunca abdicar de estar mais perto da baliza do oponente.