logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

GP Grã-Bretanha: É por isto que adoramos a Fórmula 1

modalidades cabeçalho

A CORRIDA: COMEÇOU COM UM ENORME SUSTO, MAS TIVEMOS UM GRANDE ESPETÁCULO E UM VENCEDOR ESTREANTE

Comecemos por Zhou Guanyu. Bom saber que tudo está bem com o piloto chinês, depois do horrível acidente no início. O chinês foi virado ao contrário por George Russell, depois de o britânico ter levado um toque de Pierre Gasly, levando a um período de bandeira vermelha e de apreensão enquanto não havia novidades. Zhou foi levado ao centro médico, mas está bem, tal como Alex Albon, que também ficou fora da corrida num incidente separado. Passando agora para o segundo arranque, já sem Russell, Zhou e Albon, há muita coisa para contar.

Carlos Sainz, que tinha perdido para Max Verstappen no primeiro arranque, aguentou-se no segundo, mas os seus rivais tiveram todos problemas. Charles Leclerc e Sergio Pérez estavam com danos na asa da frente, com o mexicano a ter mesmo de ir à box e a perder vários lugares. Sainz cometeu um erro e permitiu a passagem de Verstappen, com Leclerc a ficar atrás do espanhol e a dizer aos seus engenheiros que estava mais rápido. Até que Verstappen se começou a queixar do seu carro, parando igualmente na box, levando à passagem dos carros vermelhos. Quando regressou da box, o campeão do mundo continuava a queixar-se do carro e nunca mais recuperou, ficando afastado da luta pela vitória.

Por isso, tínhamos a dupla da Ferrari na frente, mas havia uma ameaça diferente a aproximar-se: Lewis Hamilton. Sainz parou primeiro, com Leclerc a trocar de pneus a seguir. Hamilton, por seu lado, estendeu o seu stint por mais algumas voltas. Sainz, apesar de ter pneus novos, continuava a não estar mais rápido do que o seu colega de equipa, que, recorde-se, estava com uma asa danificada. A Ferrari ainda disse aos seus pilotos que estavam livres para lutar, o que os iria fazer perder mais tempo. Finalmente, à volta 31, a Ferrari disse a Sainz para deixar Leclerc passar, com o espanhol a obedecer rapidamente. À volta 34, Hamilton fez a sua paragem, mas foi lenta (4.3 segundos), fazendo-o sair atrás dos dois Ferraris. Até que, à volta 40, nova reviravolta da corrida.

Esteban Ocon teve um problema no seu carro, o que levou à saída para a pista do safety car. Leclerc, que liderava, ficou em pista com os pneus duros que tinha, enquanto Sainz, Hamilton e Pérez, entre outros, pararam para colocar pneus macios novos. No recomeço, Sainz passou para a frente, enquanto atrás se formou uma das grandes batalhas da época, com Leclerc, Pérez e Hamilton como os principais protagonistas. Leclerc, com os pneus que tinha, perdeu naturalmente um pódio que parecia certo, embora ainda se tenha tentado defender admiravelmente.

No final, Sainz acabou por garantir a sua primeira vitória de sempre na Fórmula 1, depois da primeira pole position ontem. Pérez, depois dos problemas iniciais, foi segundo classificado, somando mais um pódio esta época. Hamilton nunca esteve tão perto de vencer uma corrida esta época, mas acabou por ficar com o terceiro lugar, à frente de Leclerc. Fernando Alonso foi quinto, à frente de Lando Norris e Max Verstappen, que foi apenas sétimo.

Mick Schumacher, depois de um DNF desastroso na última prova, no Canadá, conseguiu hoje finalmente pontuar na Fórmula 1 pela primeira vez. Sebastian Vettel e Kevin Magnussen completaram o top-10. Lance Stroll, Nicholas Latifi, Daniel Ricciardo e Yuki Tsunoda terminaram fora dos pontos, numa corrida que teve seis abandonos (Ocon, Pierre Gasly, Valtteri Bottas, Russell, Zhou e Albon)

Foto de Capa: Formula 1

O Bernardo é licenciado em Comunicação Social (jornalismo) na Universidade Católica de Lisboa e está a terminar uma pós-graduação em Comunicação no Futebol Profissional, no Porto. Acompanha futebol atentamente desde 2010, Fórmula 1 desde 2018 e também gosta de seguir ténis de vez em quando. Pretende seguir jornalismo desportivo e considera o Bola na Rede um bom projeto para aliar a escrita ao acompanhamento dos desportos que mais gosta.

O Bernardo é licenciado em Comunicação Social (jornalismo) na Universidade Católica de Lisboa e está a terminar uma pós-graduação em Comunicação no Futebol Profissional, no Porto. Acompanha futebol atentamente desde 2010, Fórmula 1 desde 2018 e também gosta de seguir ténis de vez em quando. Pretende seguir jornalismo desportivo e considera o Bola na Rede um bom projeto para aliar a escrita ao acompanhamento dos desportos que mais gosta.

FC PORTO vs CD TONDELA