O futebol português nunca teve a tradição física de outros, tornando-se famoso pelo futebol aveludado, mas inconsequente. O remate de longe, solução habitual noutras ligas do Norte europeu, nunca teve a mesma preponderância em Portugal, num futebol cheio de anões tecnicistas onde a procura do golo se fazia por trocas rápidas rumo à baliza adversária.

Houve claras excepções à regra, a mais vincada Eusébio da Silva Ferreira, mas nunca o futebol luso se desenvolveu nesse sentido; antes guiou a evolução técnica do futebol europeu, que abandonou as concepções do kick ‘n rush e se aproximou das ideologias ibéricas, com a bola no solo e circulação sem pressas.

No caso do SL Benfica, houve inúmeros rematadores de renome – Eusébio, Vítor Baptista, Carlos Manuel, até… Calado –, mas que foram escasseando em número e qualidade diferenciada na execução dos remates exteriores, num futebol cada vez mais descodificado e com preferência por outro tipo de acabamento.

O remate exterior era tentado muito mais regularmente no futebol de outrora, assistindo-se hoje quase à segregração do remate de meia distância como último recurso ou pronta solução quando a criatividade se ausenta. Os especialistas de bola parada escasseiam também, o que leva a que se assista cada vez menos a lances antológicos à distâncias, momentos primordiais no espectáculo da bola.

Anúncio Publicitário

Por exemplo, em 2018-2019, a Primeira Liga portuguesa teve apenas 86 golos de fora da área em… 826, o que representa 10,4%; esta temporada, o número é ainda menor, com apenas 38 em 621, até ao fecho da jornada 28ª, o que representa apenas 6% do total.

Nesta lista, são relembrados cinco dos melhores rematadores deste século do SL Benfica. Desde 2000 e com direito a taxa de golos apontados de fora da área em relação aos golos totais, apresentamos os seus perfis e algumas das suas melhores bombas. De fora ficou Jonas, pela proximidade temporal, mas os seus números em relação ao tema aqui ficam: dos 137 golos apontados de águia ao peito, o brasileiro converteu 15 de longe, ou seja, 11%.