-De empréstimo em empréstimo até ao duelo com Mário Jardel –

“Devido às características do Jardel, o Carlos Manuel pediu-me para estar mais em cima dele e exagerei um bocadinho”

BnR: O teu percurso pelas seleções ficou-se por aí, mas a tua carreira sénior tinha acabado de começar com um empréstimo ao Famalicão. Como foi para começar?

JS: Não foi fácil, mas quem escolhe esta profissão sabe que hoje pode viver em Lisboa ou em Elvas e no dia a seguir está em Famalicão, como foi o meu caso. Fui para lá porque era o ano do Mundial [sub-20] e precisava de jogar num clube que me acolhesse bem e não fosse um choque muito grande, que desse para aprender também. Fui muito bem tratado em Famalicão, joguei alguns jogos mas também tinha muitos estágios de seleção e muitas vezes não estava no clube. Mas foi muito importante, as pessoas de Famalicão são excelentes, vivi na vila e foi muito acolhedor mas também é difícil estar habituado a Lisboa e depois ir para tão longe, mas não fiquei arrependido porque as pessoas trataram-me muito bem e foi uma boa experiência para mim.

BnR: Mesmo com apenas oito jogos feitos?

JS: Sim, sim. Porque, como disse, tínhamos muitos estágios. Eu fui mais tarde, não fui logo no início do campeonato e depois tínhamos muitos torneios – de Las Palmas, de Toulon, em todo o lado – e muitas vezes faltava e não podia jogar.

Anúncio Publicitário

BnR: Então a tua passagem pela seleção limitou o teu primeiro ano de sénior…

JS: Sim porque, para teres uma ideia, terminámos o campeonato da Europa no verão, em Espanha, depois fomos um mês para o Japão e logo aí prejudicou o início do campeonato, porque tivemos férias. Começámos muito mais tarde por causa disso e não foi benéfico, mas o nosso percurso de seleções, apesar de durar muito tempo, foi muito bem planeado, as gerações eram muito fortes mentalmente e estávamos muito identificados com a seleção que representávamos desde miúdos. A qualidade era enorme, as equipas eram muito equilibradas.

BnR: No ano seguinte, mais um empréstimo e agora ao Alverca, onde ficaste quatro anos. Não ficaste chateado por não ter uma oportunidade no Benfica?

JS: Fiquei um pouco chateado por ir para o Alverca – que era um clube com muita estabilidade – porque na altura pensei: «até me correu bem o Mundial, se calhar vou ficar no Benfica» e fiquei um bocado desiludido, mas pronto. Ainda bem que fui para o Alverca porque ensinou-me muito, trataram-me muito bem e era um clube que estava muito ligado ao Benfica e ainda havia de estar mais. As coisas correram bem, porque jogava sempre e isso é importante naquela idade.

José Soares jogou quatro temporadas no FC Alverca, por empréstimo do SL Benfica
Fonte: Instagram José Soares

BnR: Tiveste quatro anos emprestado e só no final da terceira época é que tiveste uma oportunidade na equipa principal do Benfica, com o Greame Souness…

JS: Tive uma antes, mas acabei por não jogar. Fui convocado pelo Manuel José para um jogo em Braga onde era para ser titular mas depois o mister achou que não devia de ser. Devia haver aquela transição entre equipa B e andar a rodar, mas não foi assim.

BnR: E como era a tua relação com os vários treinadores do Benfica na altura? Quem marcou-te mais ou desiludiu-te?

JS: Os treinadores que apanhei na equipa principal… Por exemplo, quando era júnior, treinava muitas vezes na equipa principal com o mister Tony e o Jesualdo Ferreira e gostava imenso, tratavam-me muito bem e cheguei a fazer jogos particulares aos 17 anos com Boavista, Académica. Gostei dos treinos do mister Tony, gostei do Souness – houve coisas que não gostei, mas não é para aqui agora – porque deu-me uma oportunidade e eu aprendi com ele. O Manuel José deu-me a oportunidade de ser convocado um jogo, que era para jogar mas acabou por não dar… Com todos aprendi um bocado. Com o Jupp Heinckes, se calhar, foi com quem joguei mais, mas depois tive uma lesão algo grave no gémeo. Apanhei o mister Nelo Vingada que também gostei bastante, era o número 2 do Souness mas já tinha sido meu treinador muito tempo nas seleções. Não houve nenhum treinador do Benfica que eu dissesse que não aprendi, o que é muito importante. É muito negativo ter treinador com que não se aprende e dizia que o treinador tem de passar uma mensagem boa, positiva, e tem de te acrescentar… E no SL Benfica tive a sorte de encontrar sempre alguém que me acrescentou.

BnR: E o Mário Wilson, como era?

JS: O Mário Wilson era o maior. Em termos de psicologia foi o melhor que apanhei. Não era grande treinador em termos de trabalho de campo e, com a idade que tinha, não podia ter essa função, mas em saber de futebol, em motivação de jogadores e outras coisas muito importantes para um profissional exercer a profissão com a cabeça limpa e motivado, ele foi o melhor de todos.

BnR: Ele que tinha um apreço especial pelo Valdo, não era?

JS: [Risos] Pelo Valdo e os craques todos, ele protegia ao máximo. Tudo o que era grande jogador, com grande qualidade, ele super-protegia e, apesar de às vezes não ficarmos muito satisfeitos porque ficava bravo com uma entrada ou algo assim, mas depois pensávamos um bocadinho e dava vontade de rir. Ele era uma pessoa única, como nunca apanhei no futebol.

José Soares abraça Nuno Gomes na celebração de um golo do avançado portuguès pelo SL Benfica
Fonte: Instagram José Soares

BnR: E só o apanhaste no Alverca ou também chegaste a tê-lo no Benfica?

JS: Curiosamente, ele estava no Alverca comigo e o Benfica despediu o treinador e ele foi lá fazer dois, três, quatro ou cinco jogos na equipa principal para substituir o Paulo Autuori, e eu pensei que, como jogava sempre com ele e ele dizia que eu podia fazer alguma coisa no Benfica, quando ele até me chamou para treinar com a equipa principal pensei que se estava a encaixar tudo, porque ele gosta de mim, sabe a minha qualidade e é possível que ele me dê uma oportunidade. Assim que lá cheguei avisou-me logo que era para não dar porrada no João Pinto, senão punha-me fora do treino [risos].

BnR: Passaste seis temporadas vinculado ao Benfica enquanto sénior e com a quantidade de jogadores com qualidade mais duvidosa que passaram por lá, não te ficou a mágoa por não seres aposta?

JS: Sim, mas a culpa não era deles, era de quem os ia buscar. É uma mágoa que vou ter durante a minha vida. Se o Benfica fosse estruturado como está neste momento, se calhar tinha jogado muito mais tempo, mas não estava e toda a gente sabe que presidente tínhamos na altura e sabemos que era um clube super desorganizado em que toda a gente fazia o que queria. O Benfica é o clube do povo, é um clube democrata, não é clube de uma pessoa ou outra, em que chegam lá e possam mandar em toda a gente. Não era o clube mais organizado para um miúdo da minha idade pegar de estaca e ficasse muitos anos a titular, era complicado. Havia sempre alguém de fora que tinha de jogar.

BnR: Depois de uma série de empréstimos ao Alverca, vais cedido para o Campomaiorense e ficas marcado pelo episódio com o Mário Jardel. O que se passou nesse jogo?

JS: Nesse ano só fui em meados de janeiro para o Campomaiorense porque as pessoas gostam de mim, sou amigo do presidente, do diretor também e as coisas correram bem. Nesse jogo, devido às características do Jardel, o Carlos Manuel pediu-me para estar mais em cima dele e exagerei um bocadinho. Faz parte do futebol, saí prejudicado do jogo, mas ganhámos e isso foi muito importante para a manutenção do Campomaiorense.

BnR: Achas que foi um episódio que te afetou negativamente a carreira?

JS: Sim, completamente. Marcou-me pela negativa. São coisas que podem acontecer, mas na altura penso que as críticas não foram as mais corretas. O futebol é assim, não se pode mudar, mas fiquei muito triste na altura e não é algo que recorde com felicidade… Foi como um puxar do tapete.

BnR: E como foi a ida para o CD Aves, o teu último clube na Primeira Liga?

JS: Foi mais ou menos porque não queria ir para o Aves, mas tive de ir. Era um clube muito instável e não foi uma época boa. Fiz alguns jogos, mas tive algumas lesões que me prejudicaram e a minha cabeça não estava na Vila das Aves e as coisas não correram bem.

BnR: Estavas a ser empurrado para fora do Benfica?

JS: Não sei se estava a ser empurrado porque o Benfica não era o clube que é hoje. Não tinha a estrutura profissional que tem hoje e nós sabemos qual era o presidente que o Benfica tinha, o clube não estava entregue às melhores pessoas e passava a pior crise da vida dele. Só a partir do presidente Vilarinho é que as coisas começaram a dar uma volta.

1
2
3
4
5
Artigo anteriorO desabafo de um dos melhores adeptos do mundo
Próximo artigoO fenómeno Miguel Maia
Flaviense de gema e apaixonado pelo Desportivo de Chaves - porque tem de se apoiar o clube da terra - o João é licenciado em Comunicação e Jornalismo na Universidade Lusófona e procura entrar na imprensa desportiva nacional para fazer o que todos deviam fazer: jornalismo sério, sem rodeios nem complôs, para os adeptos do futebol desfrutarem do melhor do desporto-rei.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.