Ricardo Sá Pinto, ou Ricardo “Coração de Leão”, é um dos atletas que passou pelo Sporting Clube de Portugal  com uma ligação mais forte com os adeptos. O ex-avançado leonino conquistou vários títulos de leão ao peito e desempenhou ainda funções enquanto treinador.

Sá Pinto dividiu a sua formação entre o FC Porto e o histórico SC Salgueiros. Aos 20 anos, realizou a sua estreia na equipa principal, somando em duas temporadas 59 jogos e 17 golos marcados. As boas exibições do jovem avançado valeram-lhe a transferência para o Sporting no verão de 1994.

A estreia de Sá Pinto, ao serviço do Sporting, foi marcante, apontando um golo na primeira jornada do campeonato, diante do SC Farense. Nessa primeira época de leão ao peito, os leões treinados por Carlos Queiroz conquistaram a Taça de Portugal, vencendo, no Estádio do Jamor, o Marítimo por 2-0 com dois golos de Iordanov. Um plantel que tinha em destaque dois craques: Luís Figo e Balakov.

Na segunda temporada, Sá Pinto conquistou o seu segundo troféu de leão ao peito. No dia 30 de abril de 1996, o Sporting defrontou o FC Porto em Paris, na finalíssima da Supertaça Cândido de Oliveira. Nesse terceiro jogo, o Sporting venceu por 3-0 com dois golos de Sá Pinto e um de Carlos Xavier.

Anúncio Publicitário

Na época 97/98 sairia do Sporting para rumar à Real Sociedad de Fútbol. No clube basco realizou 77 jogos e marcou seis golos. Regressava a Alvalade no ano 2000, depois do campeonato da Europa. Neste seu regresso, sob a liderança de Manuel Fernandes, voltou a vencer a Supertaça, novamente frente ao FC Porto.

Em 2001/2002, o clube de Alvalade contratou Laszlo Bölöni para orientar a equipa e ainda Mário Jardel, que apontou 42 golos de leão ao peito. O Sporting Clube de Portugal conquistou a “dobradinha”, no entanto Sá Pinto esteve afastado dos relvados devido a uma lesão grave, dando o seu contributo à equipa em apenas dez jogos e com um golo marcado. Na época seguinte, venceu a sua terceira Supertaça com uma goleada por 5-1 ao Leixões SC.

Ricardo Sá Pinto fez ainda parte da campanha histórica do Sporting na chegada à final da Taça UEFA em 2004/2005. Nessa caminhada, os leões fizeram uma exibição histórica diante dos ingleses do Newcastle United FC, vencendo na segunda-mão por 4-1 com um dos golos a ser apontado por Sá Pinto. Na meia-final, em Alkmaar, o Sporting garantiu a passagem à final com um golo no último minuto do prolongamento de Miguel Garcia.

No verão de 2006, Sá Pinto deixou o Sporting e rumou ao futebol belga para representar o Standard Liège, após nove anos de leão ao peito. Um atleta que tinha na sua velocidade, na qualidade técnica e na frieza finalizadora as suas armas, mas destacava-se pela sua entrega e garra em cada jogo. O ex-capitão do Sporting somou 227 jogos, 49 golos e e seis títulos de leão ao peito – um campeonato, duas Taças de Portugal e três Supertaças.

Sá Pinto
Sá Pinto já conta com diversas experiências como treinador principal
Fonte: SC Braga

Terminada a sua carreira de jogador, regressou ao seu clube de coração onde desempenhou funções enquanto dirigente e treinador. Sá Pinto iniciou a sua carreira de treinador principal com um título ao serviço do Sporting, conquistando o campeonato nacional de sub-19.

Nessa temporada 2011/2012, liderou a equipa principal dos leões a uma meia-final europeia, com uma caminhada histórica, deixando pelo caminho o KP Legia Warszawa, o FK Metalist e o Manchester City FC, numa eliminatória que ficou na memória dos sportinguistas. Assim, para a história, Sá Pinto somou duas meias-finais europeias, uma enquanto jogador e outra como treinador, mas ambas no Sporting CP. Na época que se seguiu abandonou o comando técnico leonino, prosseguindo a sua carreira e conquistando recentemente a Taça da Bélgica com o Standard Liège.

Ricardo “Coração de Leão” ficará para sempre na história do Sporting CP, após mais de 15 anos ao serviço do clube nas várias funções. Sá Pinto personifica o lema do clube: Esforço, Dedicação e Devoção, para conquistar a Glória. Será sempre o “Rei Leão”.

Foto de Capa: Sporting CP

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários