8.

Edmond Tapsoba é, aos 20 anos, um defesa central com um potencial tremendo e as suas excelentes atuações não têm passado despercebidas além-fronteiras
Fonte: Vitória Sport Clube

Edmond Tapsoba (Vitória SC): Nascido a 2 de fevereiro de 1999 na capital política do Burquina Faso, Ouagadougou, a caminhada de Tapsoba na modalidade começou no local Salimata et Taséré Football Club (“Salitas”), uma das principais academias do país. Depois, e ainda antes de rumar a Portugal com 18 anos, teve uma breve passagem pela Union Sportive de Ouagadougou, conjunto que militava na primeira divisão do futebol burquinês.

Chegado a território luso, em julho de 2017, não tardou a impor-se nos juniores do Leixões SC, ajudando a formação matosinhense a alcançar o segundo lugar na Primeira Fase do Campeonato Nacional da I Divisão, de tal modo que em janeiro do ano seguinte seria contratado pelo Vitória SC. Ora, desde que chegou à cidade de Guimarães, Edmond tem experienciado uma rápida ascensão: após sensivelmente seis meses ao serviço da formação de sub-19 dos Conquistadores, o jovem central nascido em Ouagadougou foi promovido à equipa B, onde se afirmou como o segundo futebolista com mais minutos somados (30 jogos e sete golos marcados), na exigente Segunda Liga.

Já este verão, mereceu a confiança de Ivo Vieira, técnico da formação principal, e desde então tem vindo a deslumbrar seja na Primeira Liga, seja na Liga Europa. Assim sendo, e apesar de ser o mais jovem de entre os centrais do Vitória SC, Tapsoba é, no meu entender, o mais completo, principalmente no momento com bola. A este respeito, realce-se a sua enorme capacidade de passe que lhe possibilita completar, com sucesso, uma média de (6, 2) passes longos por jogo no principal escalão do futebol luso. Para além disso, é, geralmente, inteligente no modo como se posiciona em campo, algo que merece ser salientado, tendo em conta a sua juventude. Por fim, e por se tratar de um jogador de grande envergadura (1, 92 metros e 82 quilogramas), Tapsoba revela-se muito capaz no jogo aéreo, ganhando, em média, (61, 8%) dos duelos disputados em jogos da Liga.