5.

Gustavo Assunção é, a meu ver, um dos futebolistas com maior margem de progressão do nosso campeonato. Com somente 19 anos de idade, o jovem formado no Atlético de Madrid tem sido bastante influente no 4-3-3 preconizado por João Pedro Sousa, revelando uma enorme maturidade e qualidade técnica
Fonte: FC Famalicão

Gustavo Assunção (FC Famalicão): Filho do ex-futebolista Paulo Assunção, Gustavo Henrique nasceu na cidade de São Paulo, no Brasil, mas, aos três meses de idade, veio morar para Portugal, por ocasião do ingresso do pai no FC Porto B. Na Invicta, onde viveu grande parte da sua infância, iniciou-se no «desporto-rei», entrando para as escolinhas do FC Porto (Dragon Force). No entanto, aos oito anos, Gustavo voltaria a mudar país, desta feita para Espanha, uma vez que o seu progenitor se transferira, no verão de 2008, para o Club Atlético de Madrid, após se sagrar tricampeão nacional pelos Dragões. Na capital espanhola, deu continuidade à sua formação no Atlético, atuando, essencialmente como médio mais ofensivo num esquema 4-4-2 (sistema preferencialmente adotado na cantera do Atleti).

Ora, apesar de integrar, com alguma frequência, os treinos da equipa principal dos Colchoneros, desde os 16 anos, o médio ex-internacional sub-17 pelo Brasil optou, no passado verão, por iniciar a sua carreira profissional em Portugal, mais concretamente, no FC Famalicão, dado que não lhe seriam asseguradas muitas oportunidades no conjunto treinado por Diego Simeone.

Já em solo português, Gustavo, que enverga a camisola número 12 do Famalicão, tem evidenciado caraterísticas raras tendo em conta a sua tenra idade. Assim sendo, realce-se a sua grande inteligência tática, que se manifesta na forma (eficaz) como ocupa os espaços. Esta sua boa leitura do jogo defensivo, faz-se repercutir nos cerca de (1,2) alívios que completa, em média, por partida na Liga. Ademais, sendo um futebolista evoluído tecnicamente, este meio-campista que possui, também, nacionalidade portuguesa empresta bastante critério na criação de jogo, assumindo-se como uma das referências da equipa em momentos de transição ofensiva. Neste prisma, de realçar a sua capacidade de passe, que lhe possibilita executar, em média, (31, 9) passes com precisão – o equivale a uma percentagem de sucesso de (85,1%) -. Por conseguinte, atendendo à influência exercida na construção de jogo, o jovem médio natural de São Paulo é um futebolista sobre o qual acabam por ser cometidas várias infrações, sofrendo, uma média de (1,8) faltas, a cada 90 minutos.